25 de jun de 2008

A imprensa que omite...



O Jornal Nacional de 23 de junho foi bastante curioso. Na chamada havia uma informação sobre escutas da Polícia Federal que vinculavam o Presidente da Câmara Municipal de São Paulo, a um prostíbulo.

Fiquei diante da TV para aguardar a reportagem bombástica desta verdadeira “putaria” na Câmara de São Paulo...

Qual a surpresa? NADA!

No local da reportagem bombástica viu-se uma inserção de como os diagnósticos médicos avançaram nos últimos anos, salvando mais vidas. Foi visível até para as mulas.

Já no canal 40, a Globo News, a reportagem com todas as informações.

Infelizmente, a inteligência da população brasileira não é considerada, quando o Sr.Willian Bonner considera todos um bando de Homer (o personagem da família Simpson).

Bonner e Ali Kamel consideram que a “putaria” dos parceiros comerciais e ideológicos da empresa em que trabalham,a Rede Globo, é menos “ putaria” do que a de seus inimigos comerciais e ideológicos.

Esse tipo de jornalismo deve ser eliminado, sem o que nossa sociedade não avançará.
Nota 10 à Polícia Federal. Nota zero à desinformação praticada pela imprensa nacional.


Do portal G1 (Globo)

O Ministério Público instaurou nesta segunda-feira (23) inquérito civil para investigar a ligação do presidente da Câmara Municipal de São Paulo com funcionários de uma boate sem alvará e que era usada para lavagem de dinheiro.
Uma antiga casa de prostituição, sem alvará de funcionamento, com problemas na construção e que ficou aberta graças a uma rede de tráfico de influência e corrupção, diz a Polícia Federal.
De acordo com a PF, o local era usado para lavar dinheiro supostamente desviado do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES).
Em 1º de abril, o coronel da reserva da Polícia Militar, Wilson Consani Júnior, que prestava serviços para o prostíbulo ligou para o presidente da Câmara dos Vereadores, Antônio Carlos Rodrigues, o Carlinhos, do PR.
Consani: "Você conversaria cinco minutos comigo?"
Carlinhos: "Eu tô aqui, eu tô aqui, acabando a sessão eu estou às ordens."
Dois dias depois, Consani fala com Fabiano Alonso, genro e homem de confiança do presidente da Câmara.
Fabiano: "Fica sossegado, irmão. Fica sossegado, a gente tá vendo, eu já passei isso aí para o Carlinhos e ele se prontificou ajudar e vamos tocar o pau aí irmão."
Uma semana depois, Fabiano Alonso retoma o assunto. Segundo a Polícia Federal, o genro do presidente da Câmara falava sobre o acerto para manter a casa de prostituição aberta.
Fabiano: "O Carlinhos eu cobrei ele hoje de manhã ainda. Ele ia estar hoje à tarde parece que com o prefeito, ele ia passar já para ver o que dá para ajudar, tá? Ele falou que ia despachar isso aí pessoalmente com o prefeito porque isso aí não dá para despachar de qualquer jeito.”
A casa de prostituição, na Rua Peixoto Gomide, nos Jardins, Zona Sul, funcionou até o dia 24 de abril. Não foi fechada pelos fiscais da Prefeitura, mas pela Polícia Federal, que investigava tráfico de mulheres e lavagem de dinheiro desviado de financiamentos do BNDES.
O prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab, disse que nunca tratou com o presidente da Câmara sobre a casa de prostituição e que a interceptação telefônica não faz sentido.
Kassab: “Ela não tem nenhum fundamento. Jamais foram abordadas por esse tema."

O presidente da Câmara dos Vereadores, Antônio Carlos Rodrigues, disse que mais do que falar se encontrou com Wilson Consani. Mas quando soube que o coronel pedia a liberação de funcionamento do prostíbulo, ignorou a solicitação.
O advogado do coronel Wilson Consani disse que houve um mal-entendido nas interpretações das ligações. Informou ainda que o coronel vai ser ouvido pela Polícia Federal na próxima quarta-feira (25).
Portal G1

Nenhum comentário: