11 de abr de 2011

O convescote de Túlio Milman no TRF - Quarta Região

 Milman (E) foi recebido pelos desembargadores Darós, Marga e Paciornik
[foto do portal do TRF-Quarta Região]
O Jornalista Túlio Milman teria ido saber sobre o sumiço do processo 5027955-60.2010.404.7100 do portar do tribunal???


10 de abr de 2011

Zero Hora e um certo fotógrafo a serviço da homofobia


6 abril 2011 Quem mora ou circula pelo bairro Cidade Baixa, em Porto Alegre, sabe que o cenário das noites de domingo não é o mais tranquilizador. Parte das ruas são ocupadas por grandes grupos de pessoas cujo senso está extremamente alterado pelo uso em grandes quantidades de álcool e outras drogas. A agressividade de alguns desses grupos também não pode passar despercebida para qualquer um que tenha olhos ou ouvidos. Porém, agressiva também é a campanha homofóbica que o jornal Zero Hora buscou desencadear usando esses fatos como argumentos.
Uma reportagem na edição da última segunda-feira trouxe declarações de comerciantes e moradores da região reclamando dos excessos dos jovens que ocupam cerca de duas quadras da Rua Lima e Silva. O problema é detectado com facilidade pela matéria de Gustavo Azevedo e Marcelo Gonzatto. As possíveis soluções, porém, são enxergadas pela reportagem através de “tapas”, aquelas viseiras usadas pelos cavalos. Em uma matéria que ocupa as páginas 4 e 5, as mais “nobres” de Zero Hora, a repressão policial é apontada como única alternativa à agressividade de alguns destes grupos.
Na terça-feira, em nova matéria sobre o assunto, há, enfim, a lembrança de que projetos sociais educativos podem “ajudar” a melhorar a situação. Mas é claro que apenas como uma retranca às cobranças sobre a Guarda Municipal e a Brigada Militar, no corpo do texto. Zero Hora exige que, para garantir os direitos da classe média do bairro, acabe-se com os direitos dos jovens rebeldes.

Leia na íntegra: Jornalismo B

  ++++++++++++++++++++++++++

A primeira coisa que o Grupo RBS deve responder a sociedade riograndense é sobre o estupro de uma jovem menor em Florianópolis por um neto do Sr.Jaime Sirotsky, em que participaram do “nada suposto ato”, 3 garotos e um controle remoto.

A segunda coisa que devem explicar é sobre o desaparecimento do processo contra o seu diretor, Sr.Nelson Sirotsky por “crime de colarinho branco”. Estas e “otras cositas mas”, fazem com que palavras como despudor, ética, moral, homens de bem e bons costumes, não deveriam fazer parte de qualquer notícia, texto ou editorial nas mídias do grupo. Soam como gozação.

Mas há um outro problema: notaram que o despudor tem endereço? Localiza-se no entorno de um empreendimento imobiliário (Melnik Even- O Spot na Rua Lima e Silva, 777 – Cidade Baixa – Porto Alegre – RS)

Essa gentinha não vale nada!