24 de out de 2008

Medida de precaução ?


Quem entra hoje no site da prefeitura de Porto Alegre encontra apenas a seguinte mensagem:

"Por medida de precaução e visando a conclusão tranqüila do processo eleitoral em curso, a Prefeitura de Porto Alegre, acolhendo decisão em caráter liminar da juíza da 161ª Zona Eleitoral, retirou seu Portal de Internet temporariamente do ar. Esperamos retomar esta prestação de serviços em breve".

Medida de precaução coisa nenhuma. A página foi retirada do ar por determinação da juíza eleitoral Helena Marta Maciel por "extrapolação da mera divulgação de atos administrativos". Em outras palavras, uso de um espaço público para fazer campanha eleitoral para o prefeito José Fogaça.
RSURGENTE
=================================================

17 de out de 2008

Você sabe onde está o poste que estava aqui?




O Fogaça e sua "tropa" comeu!

Resultado de um acidente, estava caído no canteiro central na esquina das ruas Princesa Isabel e Santana.

Mas levou nove meses para digeri-lo. Que parto! Passava por ele todos os dias.

É a cara de um governo incompetente que diz não poder parar!

Mas que merda de governo!

6 de out de 2008

III - Por que o Rio Grande do Sul é assim



A revolução burguesa no Rio Grande do Sul

Investigar sobre a existência de uma revolução burguesa no limite meridional do Brasil implica em verificar dois fatores preponderantes: 1) a ação de atores das grandes transformações que estejam por trás da desagregação do regime escravocrata-senhorial; 2) a formação de uma sociedade de classes.

Como afirma Florestan Fernandes, no Brasil “a Revolução Burguesa não constitui um episódio histórico”, foi um desdobramento longo de pequenas e continuadas “rupturas com o imobilismo da ordem tradicionalista e a gradual chegada da modernização como processo social”.

Entretanto, como já vimos antes, no Rio Grande do Sul aconteceu o episódio histórico, onde preponderou o “espírito revolucionário” de que falava Joaquim Nabuco. Mas para que fosse possível esse momento histórico, que aqui se desdobrou preferencialmente de 1891 (com a Constituição castilhista) a 1895 (com a paz de Pelotas), houve o processo de uma longa e complexa base psicocultural, política e evidentemente econômica, já que o Estado sulino apresentava singularidades em relação à tradicional produção da monocultura de exportação praticada no resto do País.

[Aqui um breve parêntese elucidativo, para quem não leu os dois post anteriores desta pequena série: estamos investigando os motivos que levam a burguesia guasca a renunciar a sua própria revolução social, onde foi francamente vitoriosa, para apegar-se ao passado farroupilha que, embora heróico, foi uma sucessão de fracassos. Por que as fanfarras do Tradicionalismo organizado – e ideologizado – não cantam a vitória modernizante de 1893, preferindo lembrar as derrotas sucessivas de 1835-1845?]

Aqui não tivemos um sistema abortado ou interrompido de plantation, como sugerem equivocadamente os estudos do sociólogo Fernando Henrique Cardoso. Tivemos sim uma pluralidade de agentes econômicos (a pecuária exportadora, a charqueada, a pequena agricultura e a artesania das colônias de imigrantes não-ibéricos), ao contrário de São Paulo que foi vítima da monocultura extensiva de exportação, inibidora da divisão social do trabalho e do mercantilismo interno – bases necessárias de uma formação social dinâmica, burguesa, moderna e racional (Weber).

A guerra civil começa em 2 de fevereiro de 1893, quando o uruguaio Gumercindo Saraiva (gizado na foto) invade o Rio Grande com 400 rebeldes armados, em sinal de protesto pela reeleição de Julio de Castilhos à presidência do Estado, tendo sua posse ocorrido uma semana antes, em 25 de janeiro. Saraiva, um blanco uruguaio, representava mais do que os fazendeiros maragatos, representava sociologicamente uma reação armada do macro sistema baseado no latifúndio e na pecuária de exportação. Dava-se início ao embate sangrento entre o Rio Grande atávico e conservador e o Rio Grande modernizante e planificador. A guerra civil, também (mal) denominada de revolução Federalista, foi iniciativa cruenta, então, das forças oligárquicas reacionárias à Constituição estadual castilhista de 14 de julho de 1891. Os chimangos apenas reagiram fortemente à revolta armada maragata, e venceram.

A Constituição castilhista de 1891 foi um marco político da hegemonia republicano-chimanga no Estado. Representa uma ordem legal exemplar, que se poderia classificar com um tipo ideal weberiano – segundo os estudos de Luiz Roberto Targa.

Cristóvão Feil

JR, o impertinente, estava no inferno e por lá ficou.




Marquezan e o aperto de mão com o que é pior do que encosto: Yeda Crusius.

ONIX do EX-PFL.




Onix Lorenzoni (DEM) foi o que mais "cresceu", segundo ele próprio. Mudou a entonação de voz, mas seus cabelos continuaram os mesmos!

Pá e picareta para quebrar o solo e acompanhar a linha de descendência de sua candidatura. Junto levou o DEM para inferno.

Não adianta mudar o nome do partido se o inconfundível mau cheiro do PFL, segue entranhado na pele!

Cirano Cisilotto vence em Garibáldi. Não perdi a viagem e nem o voto!


Cirano Cisilotto(PT) vence em Garibáldi. Terá uma árdua tarefa de desinfetar a prefeitura do jeito Cettolin de ser!!! O Prefeito Cetolin está atolado até o último fio de cabelo, com processos de toda ordem, no ministério público.

Lavar as escadarias da prefeitura com ácido muriático e alfazema, pode ser um bom início de governo!

Parabéns ao Cirano.

5 de out de 2008

Roxa de oportunismo


Releitura fotográfica de foto do blog da Manu!
Roxa de vergonha e o novo-velho jeito
de se fazer política. Uma beleza!

A candidata Manuela (PCdoB + PPS do ex-governador entreguista Antonio Britto) está queimando as pontes e os navios que a ligavam ao continente da esquerda guasca e brasuca.

Está ficando numa ilha direitista, isolada, convivendo com os tipos mais predadores da subpolítica sulina, ao mesmo tempo que elogia propostas de... Onix Lorenzoni, o Dem mais valente contra pobres, oprimidos e excluídos.

Manuela percorre um caminho sem volta.

Suas propostas (da pós-comunista) situam-se entre o delírio e a amnésia precoce: diz que vai instalar fibra ótica em Porto Alegre, quando se sabe que essa tecnologia foi inaugurada pela Frente Popular, há mais de dez anos na Capital.

Daqui a pouco vai propor uma feira ecológica aos sábados na José Bonifácio, um brique aos domingos na Redenção, um parque verde entre a Borges de Medeiros e a orla do Guaíba e palmeiras na avenida Osvaldo Aranha.

Coisas da vida.
Cristóvão Feil

===================
Texto matador do Cristóvão. Acrescentaria duas perguntinhas à Manu:
1-Caso assuma a Prefeitura de Porto, que cargo o Brito e o Busatto irão ocupar?
2-Se perderem a eleição, o PCdoB deixará a administração do Hospital Conceição?
3-Onde foram parar os símbolos históricos do PCdoB, que é a foice e o martelo?

O que deixa mais triste é o silêncio da Jussara Cony e do Rul Carrion, em relação a esta aliança com a tropa do Brito: Cézar Busatto, Paulo Odone, Berfran Rosado e Nelson Proença.

2 de out de 2008

II - Por que o Rio Grande do Sul é assim


A guerra civil de 1893-95

O Rio Grande do Sul entrou na fase do conflito armado a partir de fevereiro de 1893. A guerra civil durou exatos 31 meses, até agosto de 1895. Morreram cerca de 12 mil pessoas, numa população estimada de um milhão de sul-rio-grandenses.

É considerada a mais bárbara das revoluções americanas, não só pelo número de mortos, mas pela brutalidade e extensão do conflito que incluiu a eliminação quase completa dos prisioneiros, que eram degolados (na foto, o célebre degolador Adão Latorre exibe a sua perícia macabra) impiedosamente pelo adversário, de ambos os lados. Existem relatos de que cerca de trezentos prisioneiros de determinada batalha tenham sido degolados após cessados os combates. Não existiam prisioneiros de guerra, neste sentido.

A guerra civil de 1893 resultou do conflito de dois setores bem identificados da elite político-econômica sulina.

De um lado, os federalistas (ou maragatos, ou quero-queros, ou gasparistas), de outro, os republicanos (ou chimangos, ou pica-paus, ou castilhistas).

De um lado o retórico, vaidoso e tagarela Gaspar da Silveira Martins, que segundo o insuspeito historiador oficialista Darcy Azambuja, não tinha “maiores preocupações doutrinárias” e o máximo de pensamento a que alcançou resume-se numa frase tola: “idéias não são metais que se fundem”.

De outro, Júlio de Castilhos, um convicto positivista comtiano, liderança forte e com objetivos definidos, marcado por planos universalizantes do papel do Estado e sobretudo pela busca da modernização das relações sociais, tudo isso embalado numa personalidade austera e incorruptível, uma espécie de Robespierre pampeano.

Todos sabem que venceu o grupo castilhista, representado pelo Partido Republicano Rio-grandense (PRR). Castilhos foi sucedido em 1898 por Borges de Medeiros, da mesma linhagem castilhista-comtiana, que saiu do poder somente em 1928. A revolução de 93 ainda teria recaídas em 1923 e 1924, sempre com os mesmos antagonistas de classe e os mesmos motivos sócioeconômicos e de poder.

Que rivalidades tão profundas eram essas?

É o velho e eterno embate entre o moderno e o arcaico. Curiosamente, um líder saído deste “laboratório” meridional da modernidade brasileira, Getúlio Vargas, um militante do PRR, é que vai promover a partir de 1930 um novo Brasil, mais ajustado às exigências do século 20.

No Rio Grande do Sul, no final do século 19, se gestou, então, com muita dor e sangue, o que viria a ser o País em grande parte do século 20, pelo menos – segundo alguns estudiosos – até o advento de Collor e Fernando Henrique, que cortam em definitivo as amarras sócioinstitucionais criadas e mantidas pela Era Vargas (1930-1954).

A vanguarda republicano-castilhista-borgista (chimangos) fez a parte da revolução burguesa no País. Florestan Fernandes diz que “a Revolução Burguesa [brasileira] não constitui um episódio histórico” definido singularmente, marcado e datado. O caso brasileiro, segundo Florestan, foi um longo processo de absorção de “um padrão estrutural e dinâmico de organização da economia, da sociedade e da cultura”.

Já no Rio Grande, a revolução de 1893 é o ponto – sim – inaugural da revolução burguesa e modernizadora na região mais meridional do Brasil.


==================

De Eugênio Neves...