28 de nov de 2010

"Nunca antes na história deste país"...



Se o governo Lula pecou no quesito comunicação, praticamente encerrando o mandato com Hélio Costa (ex-funcionário da Rede Globo) como ministro das Comunicações, a “suposta” entrevista dada aos blogueiros “sujos”, foi um ato de contrição!

No dia da entrevista todos aqueles que se interessam por política, assistiram ao vivo pela internet, os comentários que ocorriam simultaneamente ao “suposto” fato (?). Inclusive as editorias de política do PIG (Partido da Imprensa Golpista). 

Aquele momento não lhe pertencia ao PIG. “Nunca antes na  história deste  país” houve alguma coisa assim. Se este evento, tratado como “suposto” pelo O GLOBO, foi importante para os “blogueiros sujos”, o PIG assinou e carimbou transformando esta suposta entrevista em fato. Impossível o PIG não publicar transformando o ocorrido em um “não fato”. Se já era fato de  o PIG  responder a opiniões e questionamentos de blogs, hoje um grupo de "alucinados sujos" foram geradores do fato em si!

O PIG é pródigo em amplificar factóides. Assistimos este comportamento durante o processo eleitoral; factóides amplificados convenientemente pela mídia corporativa , boicotando de todas as maneiras o bom jornalismo, a prestação da informação e a fidelidade canina aos fatos (como define Mino Carta).

No dia seguinte a entrevista, vários jornais trataram sobre o assunto. A entrevista não atendeu aos interesses do PIG. Não rendeu exclusividade ou patrocínio, e provocou ciúmes e calafrios em vários editorialistas. Os blogs de direita e as mídias do PIG tentaram minimizar, ridicularizar e  desqualificar de todas as maneiras aquilo que foi um marco na questão da exposição dos blogs. Simples mortais entrevistaram um Presidente da República sem que este tivesse acesso previamente as perguntas. 

A Folha de São Paulo deu-se ao trabalho de vasculhar o blog do “Sr.Cloaca” encontrando 142 posts contra o rei da bolinha de papel, José Serra. 

Lembramos que, dias antes desta entrevista, o governo federal realizou  o Seminário Internacional Comunicações Eletrônicas e Convergência de Mídias, em Brasíl. Onde foram apresentados estudos da UNESCO sobre esse setor no Brasil.

“A criação de um órgão independente para regular o conteúdo da mídia eletrônica no país, além de retirar do Congresso a incumbência de aprovar as concessões de rádio e TV, são sugestões feitas ao Brasil pela Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco). Para a Unesco, a concessão pelo Congresso pode ser legal, mas “não atende aos padrões internacionais”. O advogado Toby Mendel, consultor internacional da Unesco, disse que “este sistema de licenciamento — por políticos – não existe em nenhum lugar do mundo”. [SUL21]

Assistir Lula dirigir-se ao William Barros, tratando-o por Sr.Cloaca, não tem preço. O Bolog do Sr Cloaca é o Cloaca News e trata do “jornalismo de esgoto”.  Durante a entrevista, Lula destacou que após um período para completar o desencarne do cargo, ele se tornará blogueiro e tuiteiro!

Aguardamos ansiosos.


21 de nov de 2010

Luis Carlos Prates



Este ser asnático é a síntese dos ideais do Grupo RBS. A despeito desta empresa de comunicação veicular peças publicitárias sobre a publicação de opiniões de colunistas que contrariam a linha editorial da empresa, agem contrariamente a isso.

Ninguém emprega em um meio de comunicação, alguém que discorde do dono da empresa. As “discordâncias” são meras perfumarias.

No Youtube pode-se assistir aos vídeos deste parlapatão, apresentados em horário nobre na TV-RBS de Florianópolis.

O Lasier Martins catarinense , atropelou de todas as formas os objetivos de uma concessão pública. Desrespeitou telespectadores; embora diga ter cursado psicologia.

Devemos seguir não o raciocínio de um cidadão, mas a lógica errebessiana. O “psicólogo” estraçalhou a regra mais elementar da empresa: todo anunciante está acima de Deus e da ética jornalística. Prates desrespeitou possíveis anunciantes de carros 1.0 e ridicularizou prováveis consumidores.

Qual o motivo da demissão de Rogério Mendelski da RBS/RS no final de 2002? Ele atacava a Claro (telefonia celular) e ignorou a possibilidade de que esta pudesse ser anunciante do grupo.

Pergunta: se você fosse o responsável pela escolha de empresas para uma peça publicitária de veículos 1.0, escolheria a RBS? NÃO, porque essa empresa desrespeita o produto e o consumidor.

A prova de que o Sr Prates destruiu a horta, são as uníssonas defesas dos “calunistas” e editorialistas do Grupo RBS no Rio Grande do Sul e Santa Catarina. E a própria interpretação do que quis dizer!

Tão macho o Sr.Prates, o que diz sobre menores delinquentes:
“na minha delegacia não tem de menor delinquente”
“se for de menor, apanha corretivamente”

E se o menor for filho do dono da empresa que trabalha (caso Suprotsky) o que este “formador de opinião” diria?






Para David Coimbra, é preciso “ouvir Prates sem pré-conceitos ideológicos” e “pobre é mitificado”

Publicado no blog RS URGENTE




"O jornalista David Coimbra, do grupo RBS, saiu em defesa de seu colega de empresa, Luiz Carlos Prates, da RBS TV Santa Catarina, autor de mais uma pérola reacionária em um comentário sobre acidentes de trânsito. Para Prates, a culpa é do governo Lula (ver vídeo em post abaixo):

“Este governo espúrio permitiu que qualquer miserável tivesse um carro”

Tentando defender o indefensável, Coimbra faz um malabarismo argumentativo que oscila entre o cômico e o constrangedor: Ele escreve:

Já sabia que existe problema de interpretação de texto no Brasil, sobretudo se são colocadas no texto palavrinhas-chave do imaginário ideológico brasileiro. “Pobre” e seus sinônimos são dessas palavrinhas. O pobre é mitificado no Brasil. Vejam o vídeo, como vi. Ouçam Prates sem “pré-conceitos” ideológicos. Ele não diz que pobre não deve ter automóvel. Ele critica a OPÇÃO pelo automóvel.

É isso aí. É preciso ouvir Prates “sem pré-conceitos ideológicos”. Afinal como se sabe, o referido jornalista emite seus comentários fascistas “sem pré-conceitos ideológicos”. E o pobre é “mitificado no Brasil”. O que David Coimbra quer dizer com isso exatamente? O pobre é mitificado? Está se dando muita importância ao pobre? É isso? Os pobres estão começando a se achar? É isso? E a crítica à opção pelo automóvel? Os colunistas de opinião da RBS descobriram, finalmente, que essa não é uma opção civilizatória? Então a “ida da Ford para a Bahia” não foi tão ruim assim? E falar que o “Cais do Porto pode virar a Ford do governo Tarso” é coisa de quem tem “pré-conceito ideológico”?

David Coimbra podia aproveitar o embalo e defender outro comentário polêmico de Prates, no dia 30 de novembro de 2009, onde este defende a ditadura militar (ver vídeo abaixo). Prates negou que tenha ocorrido censura e repressão no período dos militares. Criticou o regime democrático porque desde o fim da ditadura “o Brasil andou para trás” e dedicou seu comentário a Figueiredo que “nos ensinou o caminho da verdadeira luta e da verdadeira e legítima democracia”. Segundo ele, hoje, “a imoralidade tomou conta de todos os nós”. A RBS, lembre-se, nasceu e cresceu apoiando a ditadura militar.

Está aí um desafio para o talento de Coimbra: explicar, “sem pré-conceitos ideológicos” essa preferência pela ditadura. Será que a democracia também é “mitificada” no Brasil?"

7 de nov de 2010

Gutta cavat lapidem!

Isso não tem preço.

É bastante curioso se discutir a qualidade do voto, sistemas econômicos ou ideologias, quando parte da população sequer faz três refeições diárias. Passar fome, ter dificuldade de abrigo, exclusão, e uma infinidade de outras faltas; parecem fazer parte de uma imensa ferramenta de trabalho para intelectualóides.

Certa vez, ouvi de um fotógrafo que foi ao norte do Brasil, reclamar do “Bolsa Família”. No dia em que ele chegou a um determinado povoado, não havia quem fotografar, "pois o povo local havia viajado para receber a tal esmola", não estando presente para compor o trágico cenário.

Tive duas grandes decepções neste processo eleitoral; o comportamento de Marina Silva no segundo turno e Plínio Arruda Sampaio no segundo e "terceiro turno". Marina Silva agiu como uma “colaboradora” da Natura, empresa de seu candidato a vice.  Vendeu o que não podia ter vendido. Acredito que Marina Silva agiu com ódio, no segundo turno. Por puro instinto de vendeta, não apoiou ninguém. Já Plínio Arruda, o espírito desistiu da matéria, não havendo mais sincronismo entre os dois. Parecem completamente perdidos.

Causou desconforto também...

Os anti-Serra; sei não....

E os que anularam o voto ou não foram votar.Foram mais autênticos dos que votaram no candidato de Rigotto e Fogaça.

Ideologia não enche barriga.

Isso não significa que concorde com os rumos de nosso sistema político-econômico, local ou planetário. O acúmulo de bens de capital, principal atividade humana sobre o planeta e que destrói o meio-ambiente, está com os dias contados.

Não há sustentabilidade em um sistema capitalista (como Marina tentou fazer crer) e muito menos num comunista. Enquanto houver produção em larga escala de alimentos e o acúmulo de bens de capital, haverá impacto ambiental. O meio-ambiente é nosso meio de vida e será nosso fim. Podemos tentar retardar.
O processo eleitoral afetará nossas vidas pelos próximos quatro ou cinco anos.  A transformação que deveremos empreender levará muito mais do que isso só para ser discutida.

O olhar para trás, como fazem os Zulus ao andarem por uma trilha para não perderem o caminho de volta, deveria ser seguido por nós em relação ao nosso tempo e aos erros cometidos até aqui.
Infelizmente, somos muito diferentes dos Zulus. Mas política é assim. Um muro se constrói com uma pedra a cada momento.

Não devemos, portanto,  cruzar os braços. Teremos muito trabalho nos próximos quatro anos fiscalizando nossos eleitos. Isso fará a diferença.

Mas este é o momento para celebrar o Funeral Party do DEM! E isso não tem preço!

2 de nov de 2010

Lula não quer Malocci no Palácio. E o Cardozo pode ?


[do blog Conversa Afiada]

Diz a manchete do Globo:


Lula não quer Malocci na Casa Civil nem na equipe econômica.


O Conversa Afiada recebe a notícia com regozijo.


(Embora duvide que o Lula venha a mandar no Governo da Dilma. Nenhum dos dois quer.)


E há muito tempo este ordinário blogueiro não aplaude o Globo com tanto entusiasmo.


Antonio Malocci foi o único Ministro da Fazenda do Brasil, desde Delfim Netto no Governo Médici, que este ordinário blogueiro não entrevistou.


Jamais conseguiu uma mísera entrevista, ainda que por telefone com o Ministro Malocci.


Sabe por que, amigo navegante ?


Porque este ordinário avisava ao assessor de imprensa do notável ministro Malocci que pretendia fazer singela pergunta: por que o senhor mantém na presidência da CVM, o órgão xerife do mercado de capitais, o escolhido por Fernando Henrique, Luis Leonardo Cantidiano, sócio de Daniel Dantas ?


Por que mantê-lo ? , queria saber este ordinário blogueiro.


Muitas e muitas vezes este ordinário blogueiro solicitou entrevista a Marcelo Netto, conhecido assessor de imprensa do Ministro Malocci.


Inútil.


Malocci só não deu mais entrevistas à urubóloga Miriam Leitão do que o Malan, propriamente dito.


Malocci é pior que o Serra: não pode ver um repórter da Globo.


Além de ser (inútil) colonista (*) do Globo (como ele escreve mal !).


Entrevista a este ordinário blogueiro, jamais !


Além de manter Cantidiano até o fim do mandato, Malocci nomeou para o lugar uma pessoa de confiança de Cantidiano, Marcelo Trindade, advogado de Cantidiano em ação que move contra o corajoso jornalista Rubens Glasberg.


Estranho, não, amigo navegante ?


Este ordinário blogueiro tem a séria desconfiança de que o notável Ministro Malocci, o quindim de Iaiá dos banqueiros, nutra por Daniel Dantas (e os advogados de Dantas, caríssimos !) a mesma avaliação do Fernando Henrique: “brilhante ! ”.


Clique aqui para ler o necrológio que Mino Carta fez de FHC na Carta Capital.


Se o Malocci não pode, o José Eduardo Cardozo pode ?


José Eduardo Cardozo não se candidatou à reeleição a deputado federal pelo PT de São Paulo porque, talvez, desconfiasse que não fosse eleito.


E se proclamou Papagaio de Pirata de Dilma.


Sobre isso, no post “Dilma chora ao agradecer a Lula”, o Conversa Afiada já se manifestou:


Em tempo: confirmou-se hoje a entronização do ex deputado José Eduardo Cardozo na função de Papagaio de Pirata da Presidenta Dilma.


Ela de branco e, mais alto, ele de preto, atrás, levemente deslocado para que seu rosto pudesse ser sempre captado.


Ali, o Papagaio arrumava o cabelo e fazia o queixo repousar sobre a mão.


Dialogava com a platéia e tirava a atenção da Presidenta.


A Nação agradeceria se essa função fosse abolida, a de Papagaio de Pirata.


Na sucessão de Marcio Thomaz Bastos, chegou-se a falar em Cardozo para Ministro da Justiça de Lula.


Este ordinário blogueiro sentenciou: se isso acontecesse, Cardozo nomearia Daniel Dantas Diretor Geral da Polícia Federal,


Na CPI dos Correios, Cardozo fez uma pergunta tão inútil quanto complexa, o que permitiu a Daniel Dantas dar uma resposta tão complexa quanto inútil.


E tirar o pescoço da forca.


Foi uma pergunta igualmente “dura” e cúmplice.


Há no passado de Cardozo uma zona cinzenta: a que encobre a compra da empresa de telecomunicação do Rio Grande do Sul por Daniel Dantas, nos “porões da privataria”, como diz o Amaury Ribeiro Jr.


Depois, houve o inesquecível jantar árabe (?) na casa do então senador Heráclito Fortes, líder da Bancada Dantas.


Daniel Dantas promoveu o jantar para dizer pessoalmente ao Ministro Thomaz Bastos que não era o autor da reportagem de Marcio Aith – assessor de Serra – com a conta secreta de Lula num paraíso fiscal.


(Depois a própria Veja confessou que ele, Dantas, escreveu a chamada reportagem a quatro mãos com Aith.)


Quem estava no jantar, para referendar o rega-bofe sinistro ?


O deputado Cardozo !


Por que o Heráclito chamou o Cardozo ?


Por que não chamou a Luiza Erundina ?


O deputado Walter Pinheiro, agora Senador pela Bahia, e que também entende de Comunicação, como a Erundina ?


Por que logo o Cardozo ?


Quando o Conversa Afiada disse que Cardozo nomearia Dantas Diretor Geral da Policia Federal, Cardozo me procurou na Câmara dos Deputados.


Reclamou, reclamou.


Este ordinário blogueiro explicou, como agora, por que tinha dito aquilo.


Cardozo ficou de mandar uma nota de esclarecimento.


Não chegou até hoje.


Ah !, esse Correio !


Paulo Henrique Amorim