30 de dez de 2009

"Deus ajuda quem cedo madruga!"

Uma das coisas que me da mais prazer em levantar cedo é poder ver coisas que passam normalmente despercebidas. Mas tem que ter um certo zoom...

19 de dez de 2009

Mensagem de Boas Festas

Natal na Praça, em pé de guerra!
Apesar do ano vergonhoso que este estado passou, apesar da famiglia Rorato&Crusius e a corja que lhe dá sustentação (incluindo aqui deputados, empresários, editorialistas, quedrilha do Detran-RS, quadrilha da Operação Solidária, jornalecos de merda, etc...), haveremos de ter um novo dia.

Apesar das trevas que este estado sul-mampitubense se encontra, desejamos um Feliz Natal e um Novo Ano cheio de esperanças.

A Carapuça.

9 de dez de 2009

A" Pacificadora"...



O Comando Militar do Sul entregou dia 08/12/2009 a Medalha do Pacificador, pasmem, para a desgovernadora Yeda Rorato ex-Crusius. Realmente é de uma relevância, tal ato, que é de chorar!

Seguindo a lógica rastejante do General-de-Exército José Carlos de Nardi, curiosamente, não estavam presentes ao patético ato Osama Bin Laden, Ronald Bigs e José Roberto Arruda.

25 de nov de 2009

Uma putaria que a mídia local não repercute...E foi no inútil governo de Germano Rigotto, e praticada pelo irmão daquela nulidade!



JÁ, RESISTÊNCIA E AGONIA
O jornal que ousou contar a verdade

Por Luiz Cláudio Cunha em 24/11/2009

A maior fraude com dinheiro público da história do Rio Grande do Sul carrega nos ombros o sobrenome ilustre de Germano Rigotto. O irmão do ex-governador gaúcho, Lindomar, brilha como o principal implicado entre as 22 pessoas e 11 empresas denunciadas pelo Ministério Público e arroladas na CPI da Assembléia gaúcha que investigou há 14 anos uma milionária falcatrua na construção de 11 subestações da Companhia Estadual de Energia Elétrica (CEEE). Foi uma tungada, em valores corrigidos, de aproximadamente 800 milhões de reais – quase 15 vezes o valor do mensalão do governo Lula, três vezes o valor dos desvios atribuídos ao clã Maluf em São Paulo, cerca de 20 vezes o valor apurado no escândalo do Detran que expôs a governadora gaúcha Yeda Crusius a um pedido de impeachment.

Esta história foi contada em detalhes, em 2001, por um pequeno jornal de Porto Alegre, com tiragem de apenas cinco mil exemplares numa capital com quase 1,5 milhão de habitantes – e está recontada, a partir desta semana, numa edição extra do JÁ que chega às bancas e no seu site.

O JÁ é um bravo mensário que sobrevive há 24 anos pela teimosa resistência de seu editor, Elmar Bones da Costa, nascido há 65 anos em Santana do Livramento, cidade gaúcha no limite com o Uruguai, de onde ele trouxe a rebeldia indomável do fronteiriço. Ao longo de 40 anos de carreira, Bones construiu com talento uma sólida e reconhecida biografia na imprensa nacional que passa pelas redações de Veja, Gazeta Mercantil, Jornal do Brasil, O Estado de S.Paulo, IstoÉ e Folha da Manhã.

Leia na íntegra no Observatório de Imprensa

O Jornal Já
=========================================================

Para a mídia local, alguns ladrões são melhores do que outros..Este é o caso em relação aos esqueletos do armário do sr. Germano Rigotto.

As falcatruas são levadas ao segundo plano, desconstituindo-se os indivíduos e organismos legais de investigação e acusação. Que imprensa de merda essa que temos aqui!

18 de nov de 2009

O novo jeito de conservar estradas de Yeda Rorato ex-Crusius!

Nossa desgovernadora está se desdobrando em justificar sua re-eleção. Visitará Sobradinho nos próximos dias para assinar contratos de recuperação da vergonhosa estrada que liga aquele município, à Candelária.

Ou seja, salvará aquela população do próprio abandono submetido pelo governo tucano. Yeda chegará junto àquela comunidade, com a cara lisa e paralisada por botox em seu "objeto voador", pois se for por via rodoviária, pagará um mico!

Para aquela comunidade restará apenas o bom humor e a interminavel tramóia eleitoreira da corja tucana!

RBS?



10 de nov de 2009

O equilíbrio entre o deserto e o pântano...



Na oportunidade, o prefeito que deixa Porto Alegre abandonada, feia, esburacada e sob alvo da especulação imobiliária mais selvagem, treinou uma fala para ludibriar o eleitor em 2010. Fogaça disse que o "PMDB vai retornar ao governo gaúcho com equilíbrio e convivência pacífica".
***
O PMDB de Pedro Simon, o PMDB de Eliseu Padilha, o PMDB de José Fogaça foi um dos pilares de sustentação do yedismo de fracassos, o outro pilar foi a mídia guasca, especialmente os veículos da RBS.
***


Leia no blog do Diário Gauche

Yeda Rorato Crusius “roubou a bandeira do CPERGS”.




Vejam que mimo a afirmação do Sr. Paulo Santana, para a Rádio Gaúcha. Paulo Santana é um jornalista da base aliada de Yeda Rorato ex-Crusius, nossa lamentável desgovernadora e protagonista do governo mais corrupto de nossa história.

Este esfumaçado jornalista nos brinda com o raciocínio rastejante de que, agora a bandeira do aumento e que até então estava com o CPERGS, está nas mãos da desgovernadora!

“É impressionante, a governadora Yeda Crusius tirou das mãos do Cpers a sua bandeira de aumento salarial. Esta iniciativa da governadora inédita e sobre todos os títulos, espetacular, de fixar os salários mínimos dos professores do RS em R$1.500,00, deixou o Cpers tonto. O Cpers está sem saber o que fazer, perdeu a bandeira. É impressionante como o anúncio dos R$ 1.500,00 chegou bem na classe. No interior do Estado, os professores festejam o anúncio de R$1.500,00 de salário mínimo para os professores. E o Cpers não sabe o que vai fazer, não sabe como vai continuar se opondo a governadora. Esta que é a verdade.”

Vejam que o diploma de jornalista não é salvoconduto da ética ou a fidelidade canina aos fatos, como se espera de um jornalista. Muito menos ao raciocínio lógico. Há tanto invertebrado publicando colunas em jornalecos lamentáveis, que desaprovaria o uso de tal título: o de jornalista!

Paulo Santana e Yeda Rorato se merecem!

Mas vamos ao roubou a bandeira...

Para aqueles com pouca memória, Yeda Rorato, nossa desgovernadora é mentirosa. E porque? (assista o vídeo acima)

Na campanha eleitoral de 2006, Yeda prometeu que não aumentaria impostos. Ao vencer o pleito e mesmo antes de assumir o mandato, solicitou aos seus aliados o aumento de impostos. Yeda disse uma coisa e fez outra.

“MENTIR: v.i. Afirmar aquilo que se sabe ser falso, ou negar o que se sabe ser verdadeiro: mentir vergonhosamente. / Enganar, iludir; ludibriar.”

Estamos tratando de um projeto de uma governadora mentirosa. Acreditamos que Yeda Rorato ex-Crusius juntamente com a base aliada estão praparando uma armadilha.

Não vamos esquecer que a base aliada defende os bandidos dos cofres públicos, procura esconder da sociedade a corrupção no estado e mantendo afiliados em seus carguinhos em secretarias de estado e estatais, drenando recursos para suas “poupanças” e para as “segundas arcas partidárias”. Tudo fartamente documentado nos processos da Operação Rodin, Solidária e na gravação BusattoxFeijó!

Por que essa gente não incorporou a Brigada Militar e os professores do estado, ao respectivo piso nacional para a segurança e ensinos fundamental e médio? Pois são coisas do Governo Federal?

“A partir do momento que estabelecemos o piso de R$ 1,5 mil, todos os funcionários que estão na escala... o professor que ganha que R$ 150 vai para R$ 1,5 mil. O que ganha R$ 1,3 mil vai para R$ 1,5 mil. Mas o professor que ganhava R$ 1,5 mil não terá reajuste nenhum e este professor pode ter um tempo mais longo de Estado.” (Secretário Estadual da Fazenda, Ricardo Englert)

Manchete do jornaleco da Azenha: “Nenhum professor receberá menos de R$ 1,5 mil, confirma secretário da Fazenda”. O que não está dito, é que ninguém ganhará mais de R$ 1,5 mil. Segundo o mesmo jornaleco, o salário inicial hoje é R$ 950,00. É bom contar ao Secr. Englert que ninguém ganha R$150,00.

A meritocracia, é o nó, a armadilha do tucanato e a quadrilha aliada, digo, base aliada!

“Nenhum funcionário receberá bonificação por tempo de trabalho, mas por resultados apresentados”. E quem analisará esses objetivos:? “Uma assembléia envolvendo os órgãos gestores, servidores e entidades de classe". O aumento ficará para o futuro e definido por um grupo a ser constituído.

“Vai migrar quem quiser?” Por isso "a bruxa malvada acena com um confeito enorme e colorido! Após optarem pelo confeito e João e Maria entrarem na gaiola, fatalmente irão para o caldeirão.

Tem gato nesta tuba....

Ich!

Roubaram a tuba!

5 de nov de 2009

Casa Própria


Zé Soneca; o prefeito dorminhoco!


Ontem, fiquei observando os responsáveis pelas podas de árvores da Prefeitura de Porto Alegre. Não levei muito tempo para encontrar um nome perfeito, pela maneira que as podas eram executadas:

Departamento de Mutilação Vagetal

Todos estão focados nas insanidades da "progenitora maior do estado", enquanto Zé Soneca está livre, leve e solto. Porto Alegre segue ladeira abaixo!

Yeda autografa livro na feira: ninguém merece!


Foto do dia 7 de setembro de 2009- testando a super-tele...
"A governadora Yeda Crusius autografa hoje, às 17h30min, 0 livro "Pesquisa de Democracia Deliberativa do Rio Grande do Sul", resultado da Consulta Popular sobre a valroziação das carreiras dos servidores públicos estaduais, promovida pelo governo gaúcho em 2009. A publicação é da Corag, veículo oficial de divulgação dos atos do Estado."Portal do PSDB

Fiquei conversando com meus botões:
1-Quem escreveu famigerada obra?
2-Quem pagou a edição de tal "açoite"?
3-É piada? Se for, é de mau gosto!
4-Yeda para Academia Riograndense de Letras, já!
5-A desgovernadora sairia melhor se o assunto fosse: "Como arrumar a casa"!
6-Há de se ter estômago para se aturar isso.
7-Yeda e Democracia são coisas antagônicas.

29 de out de 2009

Lula, Estudio Record, Olimpiadas...e a Globo!



...Permitindo que o povo brasileiro não seja vítima de algum “formador de opinião pública”, que não quer a “informar a opinião pública”, mas quer induzi-la a um pensamento único, a uma verdade única,...
Presidente LULA durante a inauguração do Estúdio Record no Rio.

21 de out de 2009

Sobre o arquivamento do "Impedimento" da desgovernadora!

Perfeito, não se esperava outra coisa desta corja de cúmplices desta putaria, e esta é a palavra.
Este é o mérito de Yeda Crusius: aflorar o instinto de competitividade, leia-se carnificina, olho grande e ganância entre os ladrões que roubaram nosso dinheiro para benefício próprio e para se perpetuarem no poder. Sob a tutela de deputados da base aliada, jornalistas canalhas e empresários obsequiosos e mudos.

Mas fico feliz; Yeda Crusius e esta corja da direita guasca irão sangrar até o último bilionésimo de segundo de seu lamentável mandato.

E nós, teremos que aprender definitivamente a votar!



20 de out de 2009

19 de out de 2009

Ninguém é de ferro!




Havia uma Rainha Má, mas muito má, mentirosa, muito impopular, em algum lugar ao norte do Mampituba. Pois tal criatura morreu, vejam só!

Conta-se que no Palácio Imperial, onde se realizava o velório, formou-se uma enorme fila de simpatizantes e especialmente não simpatizantes; estes incrédulos com o acontecimento e estavam ali feito São Tomé:"ver para crer”.

Eis que chega o momento de uma velha senhora postar-se diante do esquife, esta abre uma sacola com dificuldade, retira diversos produtos e deposita-os ao lado do corpo da Rainha Má, já embalsamado! Legumes, frutas de época e verduras; todos produtos orgânicos e de primeiríssima qualidade.

Eis que os seguranças interrompem a laboriosa decoração horti-fruti... no entorno do corpo da Rainha Má e questionam a velha senhora sobre porque ela estaria cometendo tal heresia:
-A senhora prontamente respondeu: é para que os vermes não comam apenas “porcaria”!

15 de out de 2009

In This World / Moby





Lordy don't leave me
All by myself
Good time's the devil
I'm a force of heaven
Lordy don't leave me
All by myself
So many time's I'm down
Down down
With the ground
Lordy don't leave me
All by myself
Whoa, in this world
Lordy don't leave me
All by myself

Sucesso garantido ao sul do Mampituba!



Casa de Irene
Nico Fidenco

I giorni grigi sono le lunghe strade silenziose
Di un paese deserto e senza cielo

A casa d’irene si canta si ride
C’e gente che viene, c’e gente che va
A casa d’irene bottiglie di vino
A casa d’irene stasera si va

Giorni senza domani e il desiderio di te
Solo quei giorni che sembrano fatti di pietra
Niente altro che un muro
Sono montato da cocci di bottiglia

A casa d’irene si canta si ride
C’e gente che viene, c’e gente che va
A casa d’irene bottiglie di vino
A casa d’irene stasera si va

E poi, ci sei tu a casa d’irene
E quando mi vedi tu corri da me
Mi guardi negli occhi, mi prendi la mano
Ed in silenzio mi porti con te

A casa d’irene si canta si ride
C’e gente che viene, c’e gente che va
A casa d’irene bottiglie di vino
A casa d’irene stasera si va

Giorni senza domani e il desiderio di te
Nei giorni grigi io so dove trovarti
I giorni grigi mi portano da te
A casa d’irene, a casa d’irene

A casa d’irene si canta si ride
C’e gente che viene, c’e gente che va
A casa d’irene bottiglie di vino
A casa d’irene stasera si va

5 de out de 2009

O impedimento...

Sobre o impedimento da desgovernadora Yeda Roratto, discordamos dele!

O governo desta criatura, bem como os empresários, jornalistas, empresas de comunicação, os que obtiveram vantagens ilícitas e todos os que apoiaram (hoje mudinhos), trabalharam e cospiraram arduamente pela sua concretização, operacionalização, defesa incondicional e, acima de tudo, tentaram e tentam colocar a corrupção para baixo do tapete, devem sangrar até o último milionésimo de segundo de seu mandato.

O modus operandi da direita guasca, esta visivelmente exposto.

"O fim justificaria os meios"?

Mercedes...



Mercedes Sosa canta Gracias a la Vida - Letra de Violeta Parra

Gracias a la Vida que me ha dado tanto
me dio dos luceros que cuando los abro
perfecto distingo lo negro del blanco
y en el alto cielo su fondo estrellado
y en las multitudes el hombre que yo amo.

Gracias a la vida, que me ha dado tanto
me ha dado el oido que en todo su ancho
graba noche y dia grillos y canarios
martillos, turbinas, ladridos, chubascos
y la voz tan tierna de mi bien amado.

Gracias a la Vida que me ha dado tanto
me ha dado el sonido y el abedecedario
con él las palabras que pienso y declaro
madre amigo hermano y luz alumbrando,
la ruta del alma del que estoy amando.

Gracias a la Vida que me ha dado tanto
me ha dado la marcha de mis pies cansados
con ellos anduve ciudades y charcos,
playas y desiertos montañas y llanos
y la casa tuya, tu calle y tu patio.

Gracias a la Vida que me ha dado tanto
me dio el corazón que agita su marco
cuando miro el fruto del cerebro humano,
cuando miro el bueno tan lejos del malo,
cuando miro el fondo de tus ojos claros.

Gracias a la Vida que me ha dado tanto
me ha dado la risa y me ha dado el llanto,
asi yo distingo dicha de quebranto
los dos materiales que forman mi canto
y el canto de ustedes que es el mismo canto
y el canto de todos que es mi propio canto.

Gracias a la Vida
Gracias a la Vida
Gracias a la Vida
Gracias a la Vida

Alguém tem dúvidas sobre quem seria a serpente?


2 de out de 2009

Depoimento do Vice-Governador ao MPF



Segundo blogs de jornalistas de direita, a CPI da Corrupção que investiga o governo mais corrupto da história do RS, é do PT! Curiosamente, a quadrilha que lesava os cofres públicos foi delatada por ex-aliados políticos. Todos os piores depoimentos prestados à Polícia Federal e o MPF, destas pessoas são de deixar os cabelos do olho do cu em pé! Nenhum é do PT, PSB, PCdoB, PSOL ou PSTU. Alguns, por mais incrível que possa parecer, são do DEM (ex-PFL, partido do Borhausen e Onix Lorenzoni) como é o caso do Vice-Governador, desafeto da desgovernadora e vizinho dela.

Esta CPI é, na verdade, uma CPI da direita guasca e de como fazem para se perpetuar no poder, mantendo uma descomunal verba para financiamento eleitoral desta corja de ladrões.

A Polícia Federal e o Ministério Público devem estar rolando de rir ao assistir as explicações da base aliada para jogar esta sujeira toda para baixo do tapete. E não se viu nenhum empresário discursar contra essa robalheira. Um bom momento para se continuar investigando, pois ao que nos parece, todos estão usufruindo destes frutos.

"Campanha é um momento de poupança. Tu não é deste ramo e está atrapalhando o processo.” A declaração foi atribuída à governadora Yeda Crusius pelo vice-governador Paulo Feijó em depoimento prestado ao Ministério Público Federal em abril deste ano.

Trechos deste depoimento foram exibidos na sessão da CPI da Corrupção desta quinta-feira (1). Conforme Feijó, ele foi chamado pelo então tesoureiro da campanha do PSDB Rubens Bordini para receber uma doação feita pela empresa Braskem. Quando chegou ao hotel Sheraton, local do encontro, Feijó teria sido informado por Bordini que “o dinheiro foi dado para o marido da governadora”. “Este dinheiro foi um dos que não apareceu na campanha. Os recursos trazidos pelo Chico Fraga e o dinheiro que o Lair Ferst emprestou ou intermediou também não entraram no caixa. Talvez apenas 10%. O resto desapareceu”, afirmou o vice-governador aos procuradores. "


Fora Yeda Crusius e esta cambada de ladões!

27 de set de 2009

Charge do Santiago



Gravações com endereço certo!


A gravação feita por Lair Ferst de sua conversa com Marcelo Cavalcante teve endereço certo. Esta é a impressão ao se ouvir a se ouvir a gravação. Mandar recados aos seus ex-parceiros, pressionar Marcelo Cavalcante, conseguir a "Delação Premiada" junto a Justiça Federal, enfim, uma infinidade de explicações podem ser tiradas; mas uma coisa nos parece claro: Lair direcionou a conversa e Marcelo não sabia da gravação.

Ou seja, Lair procurou dizer o que não lhe comprometesse, e foi puxando o revelador fio da meada...


15 de set de 2009

Visão do inferno!



Tem fogo, tem tridente ... e o diabo?
Onde está o diabo?
Diabo?
Que diaba?

O assassinato do Eltom pela Brigada Militar, um ato de completa covardia!




As imagens do trabalhador Eltom morto com tiros de espingarda pelas costas estão na web e não desejo reproduzi-las.

No desfecho do assassinato do trabalhador rural Elton Brum em São Gabriel, temos o ultrapassar de todos os limites de um órgão de Segurança Pública; que sistematicamente desrespeita o enfrentamento político (que não é de sua alçada), apreendendo cartazes ofensivos à governadora, pasmem! Não é tão pouco tarefa do comando da Brigada Militar, determinar o que é ofensivo ou não! Não estamos mais na época da ditadura militar, em que havia um DOPS que ditava normas comportamentais à sociedade e instruía aos demais órgãos de repressão política o sumiço de cidadãos.

“Desaparecer os inimigos da democracia”, foi uma árdua tarefa dos milicos e história do Brasil está repleta de exemplos. Nunca soube de assassinatos pelas costas! A ditadura acabou Coronel Tridade! O assassinato de um trabalhador rural pelas costas, é um ato muito grave e inominável. O que dizer quando cometido por um órgão responsável pela segurança pública.

Duvidamos que o autor tamanha tragédia tivesse sido um soldado raso. Se vivêssemos num estado minimamente sério, o Coronel João Carlos Trindade Lopes já teria entregue seu posto. Foi sob seu comando que este episódio lamentável ocorreu. Bem como todos oficiais envolvidos nesta lamentável operação. Já o Sr.Secretário de segurança é uma completa nulidade!

Que tipo de confiança uma instituição quer que se tenha, quando não se é capaz de identificar o assassino? O que mais é preciso para se desconfiar de que estamos no pior dos mundos com o Coronel Mendes fazendo parte de um Tribunal Militar?
O estado deveria ser denunciado a organismos internacionais como o Banco Mundial, pois este esta financiando um governo opaco, corrupto, e que seus órgãos de segurança assassinam cidadãos pelas costas sob a pretensão de “estar cumprindo a lei”!

Hoje, ao contrário de sua história, a Brigada Militar defende uma quadrilha instalada no Piratini e assassina sem-terra pelas costas.

Estamos no pior dos mundos!

Leia também: A versão e o fato ou a história oficial!

8 de set de 2009

Yeda, uma patriota "exemplar"!

Ontem fui ao desfile comemorativo ao 7 de Setembro, só para capturar a "tia" chegando ao evento. Um pouco quente, com sol na nuca, fumaça de churrasquinho de gato, e o povo bem distante do palanque, evitando-se protestos contra a desgovernadora.

Fiquei uns 15 minutos, tempo para tirar algumas fotos da "direita" local se refestelando no palanque, como se patriotas fossem, lambendo-se uns aos outros, e tempo também para ouvir uma efusiva vaia ao ser anunciada a chegada de Yeda Rorato Crusius, protagonista do governo mais corrupto de nossa história.

Yeda estava vestida de blusa amarela e uma calça azul-marinho, provavelmente seguindo à risca os conselhos de algum "çábio" do jornaleco da Azenha sobre uma temática bem ao seu estilo: "O que vestir no desfile de 7 de Setembro" .

Passei o resto do dia vomitando!

24 de ago de 2009

Brigada Militar assassina sem terra!


Carlos Latuff

Num governo fora da lei, a morte se faz regra
Só tratando a violência como trivialidade se mata um militante de um movimento social com um tiro de espingarda calibre 12 nas costas. Só um governo com graves problemas legais, como o governo Yeda Crusius (PSDB), torna possível um acontecimento como esse.

Katarina Peixoto

Quem estabelecer uma relação plausível entre a propaganda do déficit zero, as escolas de lata, o saque ao erário e a morte de um Sem Terra, além da tortura sobre outros, ganha um murro. Dá para se perguntar se é vingança, esse grande motor dos homicídios que tanto povoa as legislações penais, o que matou Elton Brum, o militante Sem Terra executado hoje, à queima-roupa, no Rio Grande do Sul, na presença do Ministério Público Estadual, pela Brigada Militar. Mas vingança, como se sabe desde Aristóteles, pelo menos, estabelece-se numa relação comutativa, entre iguais. A tendência ao infinito e à consequente destruição total que a prática da vingança implica é um dos fundamentos para que se tenha desenvolvido o conceito de justiça distributiva e também o de lei. É claro, a vingança não desapareceu, mas algumas de suas manifestações tornaram-se passíveis de punição, porque passaram a ser subsumidas pela lei como crime.

É então preciso que a lei seja observada, para não que não saiamos a matar as pessoas que nos roubam. Ou que mataram um companheiro, ou que saquearam o Estado, ou que perseguiram e espancaram opositores, ou que furtaram de ladrões eméritos, ou que mataram em nome de ladrões poderosos. Diante dessas coisas é que se faz necessário o respeito à lei. E se tem uma coisa que pelo menos a maioria do Movimento dos Sem Terra sempre defendeu foi uma disputa pela legalidade. Pode-se discordar do MST. Também se pode discordar de “proprietários” de terras que não conseguem tornar sua propriedade irredutivelmente legal.

Esse tipo de controvérsia vem sendo tratada como um conflito causado unilateralmente por um grupo de criminosos, organizados nos Movimentos Sociais. As famílias que mandam na grande mídia brasileira agem como se a propriedade fosse uma realidade, apesar do direito. E se não há direito, há crime? Quem junta tico e teco sabe bem que sem lei não há crime e propriedade fora da lei não é, por definição, propriedade. Logo, não precisa de aparato policial para aplicar a lei onde não há crime, como quem pensa também pode saber, sem muito esforço.

Só que há lei, a despeito desse lamentável capítulo governamental do Rio Grande do Sul, chamado Governo Yeda Crusius. Este desastre, tão avesso à lei que trata os críticos como inimigos a serem exterminados, denunciados e desqualificados. E não é apenas pela incapacidade total de dar o exemplo ou de ter autoridade, a menor que seja, para defender o direito, o legal, o legítimo.

Diante desse governo falar em violência e ilegalidade no uso do poder de polícia por parte das forças de segurança do aparato estatal parece trivial. Para os atuais ocupantes do executivo gaúcho, de fato, é. Só tratando a violência como trivialidade se mata um militante de um movimento social com um tiro de espingarda calibre 12 nas costas. Só um governo com graves problemas legais torna possível um acontecimento como esse.

Só que há lei. E Elton Brum foi assassinado. Fosse a lei respeitada, o assassino deveria ser demitido por justa causa e encarcerdo. Ganha um murro quem negar, diria o governo. Porque num governo fora da lei, a morte se faz regra. Até quando?

Katarina Peixoto é doutoranda em Filosofia na Universidade Federal do Rio Grande do Sul. E-mail: katarinapeixoto@hotmail.com

Agência Carta Maior
========================================
O governo Yeda Crusius, através brigada Militar, assassinou um trabalhador rural em uma invasão simbólica de um segmento de terra, junto ao assentamento na fazenda Southal, em São Gabriel.

Não é de se espantar que o assessor para assuntos de segurança de Yeda Crusius, o governo mais corrupto de nossa história, chama-se Coronel Mendes!

13 de ago de 2009

Business, of course!

Foto: Antonio Paz / Palácio Piratini

Na abertura do 17º Festival Mundial de Publicidade de Gramado (04 de Junho de 2009), a governadora Yeda Crusius foi agraciada com a Medalha Maurício Sirotsky Sobrinho.

"A honraria é concedida a personalidades que se destacaram por suas contribuições ao segmento da comunicação e da publicidade. "(JusBrasil)

Seguindo esta lógica surreal, qual será a próxima criatura a receber tão importante comenda?

Carlos Crusius (marido da governadora), deputado federal José Otávio Germano (PP), deputados estaduais Luiz Fernando Zachia (PMDB) e Frederico Antunes (PP), presidente do Tribunal de Contas do Estado, João Luiz Vargas, Walna Villarins Meneses (assessora da governadora), Delson Martini (ex-secretário geral do governo estadual), Rubens Bordini (vice-presidente do Banrisul e ex-tesoureiro da campanha de Yeda). Todos denunciados pelo Ministério Público Federal por enriquecimento ilícito e dano ao erário público.

"se quedarán las pelotas ..."

12 de ago de 2009

O contraponto da mídia

O Pântano Tucano começa aqui...

il pensatore...



Sobre a putaria, a roubalheira, a sacanagem, a canalhice em que se chegou aqui no Rio Grande do Sul, o “Estado mais politizado do Brasil”, sigo o pensamento de minhas falecidas avós que, se vivas fossem, diriam na língua de Dante:

Sono tutti ladri!
....................................
Anos atrás, ouvi um politicozinho canalha, destes que temos às pencas por aqui, dizer:

"No Rio Grande do Sul, quando a corrupção passa por uma calçada, nossos politicos atravessam a rua para não ter que cruzar com ela." Hoje sabemos que a história é outra. Alguns políticos atravessam a rua para negociar com ela e não dar muito na cara!

Mas não é isso que a Operação Rodin, da Polícia Federal, comprovou. A PF comprovou a existência de uma quadrilha que roubava dinheiro público, e não se tratava de caixa dois, para benefício financeiro destes e o financiamento da vida política de uma corja de safados amparados pelos jornalecos locais e seus editorialistas, como paladinos da ordem, moral e bons costumes. No quesito de "manutenção do poder nas mãos de alguns", o Grupo RBS cumpriu a tarefa com louvor. Pintar gato como lebre, foi sua tarefa; e custou bem caro, pois não existe almoço grátis. O roubo da Máfia do Detran, é a prova disso.

Curiosamente tudo o que circunda a desgovernadora Yeda Crusius, apodrece em corrupção! Não é necessário de um QI muito maior do que 2 (dois) para se concluir o que é óbvio!

E mais, sob as bençãos da Farsul, Federasul e Fiergs, já que seus representantes estão completamente mudos.

Ontem eu ouvi o máximo da boca de seu Berfran Rosado: ele iria trabalhar pela não aprovação da "CPI da Corrupção" pois não daria em nada. Disse mais ou menos assim: aí as pessoas diriam que a assembléia gastou tempo e dinheiro para não dar em nada! Estou em lágrimas pela preocupação de seu Rosado que nã ficou nem vermelho!

Se eu fosse da Polícia Federal, prestaria atenção na atuação de outros políticos perante a possibilidade da constituição de uma CPI. Tem mais gato na tuba!

16 de jul de 2009

O Criador e a Criatura, algo deu errado!

Direto de um evento em Manaus, Míriam Leitão, colunista e comentarista de O Globo/Rede Globo, disse que nunca é tarde para aprender:

"Sem o respeito ao meio-ambiente, não heverá o agronegócio."

Há séculos, as antas já sabiam disso!

9 de jul de 2009

Hackers do mundo, uni-vos!!!

Em defesa da Pirataria Legítima

Um texto para hackers e leitores inteligentes


Jorge Machado


versão 1.03 -
24.07.2007
(se copiar esse texto, manter a formatação e estilo)

Nossos amigos da indústria têm usado eficientemente os veículos da imprensa para culpar e criminalizar crianças, jovens e adultos que compartilham arquivos na Internet, tratando-os da mesma forma que aqueles que fazem comércio ilegal. A ambos dão o nome de “piratas”. No nosso ponto de vista, compartilhar é uma coisa, comercializar é outra.

Não culpamos os jornalistas, pois sabemos que a grande mídia não vive do anúncio de gente pequena, mas de grandes empresas. Sabemos que não é escolha deles.

Entendemos que existem algumas confusões a respeito das práticas de compartilhamento. O que são produtos piratas? O que é o compartilhamento pela Internet? Qual é a diferença entre comércio e pirataria? Quem são os piratas? Que tal entendermos o contexto do problema para responder a tais perguntas?

O objetivo desse texto é, de forma simples, direta e divertida, proporcionar uma visão mais global sobre essa questão. Vamos falar da pirataria do Caribe, já que seus símbolos são referenciados freqüentemente pelos amigos da indústria.

Segundo um amigo nosso, foi uma corporação de editores monopolistas de Londres, chamada Conger, a primeira a usar o termo “pirata” para o comércio ilegal. Isso em meados do século XVIII, quando adquirir livros a preços justos era algo impensável, pois os livros dessa corporação custavam cerca de três vezes mais que os produzidos pelos colegas escoceses. Para a felicidade de todos, a Conger não existe mais. Mas o termo “pirata” para se referir ao comércio ilegal ficou.

Pela forma com que os piratas são retratados na imprensa, eles deveriam ter poucos amigos. Nós afirmamos que eles têm muito mais amigos do que parece - além das crianças. Apostamos que os leitores desse texto gostarão mais ainda dos piratas. Nós, que defendemos o compartilhamento, viemos aqui limpar a honra deles – na verdade a nossa própria barra, já que somos chamados de “piratas”. A partir de alguns exemplos históricos, vamos mostrar o que é a pirataria legítima. O leitor inteligente vai deduzir o resto.


Um texto para todos os tipos de hackers

Escrevemos para os hackers. Quem é o hacker? É o sujeito que adora fazer perguntas. Ele não se conforma em ficar com uma dúvida e está sempre buscando a resposta. E a cada resposta pode vir uma nova pergunta. Ele quer ver como é “de verdade”, como funcionam as coisas. Ele está longe de ser o sujeito típico saído da maioria de nossos sistemas educacionais! Pois gosta de questionar!

O hacker adora desafios! É assim que ele aprende. Não nos referimos apenas ao hacker do computador, mas ao da Música, das Letras, das Ciências e das Artes, pois há hackers em todas as áreas. Se está pensando que o hacker é criminoso, explicamos: o que comete crimes se chama cracker. O hacker é o do bem. (Anota aí, amigo jornalista).

O bom cientista sabe que a ignorância é o motor da ciência. Ele precisa analisar, checar, ir mais a fundo. Que tal explorar as incertezas, considerando que as respostas obtidas são, no máximo, temporárias? Assim é o hacker. Ele está sempre atrás do conhecimento. E isso consegue através dos OUTROS. E quando descobre algo interessante, mostra à comunidade. Os hackers perceberam que se cada um compartilha com a comunidade o que sabe, todos saem ganhando. No final, uns ajudam os outros. E com isso surgem muitas inovações. Por isso, o hacker mais apreciado é aquele que dá maiores contribuições à comunidade. É assim que ele cria. Os bons artistas e cientistas se parecem com os hackers. São atentos a tudo que ocorre a seu redor. Estão sempre ouvindo e lendo algo, buscando novas idéias. E precisam mostrar o que fazem aos OUTROS, pois se realizam através do reconhecimento que a sociedade lhe dá.

E que eles têm a ver com o pirata? Veremos adiante.


O que significa pirata?

O termo pirata vem do grego peiratés (πειρατής), que vem do verbo peiraooo (πειραω), que significa "esforçar-se", "tratar de", "aventurar-se". O termo peiraoo também está relacionado com apeiratos que significa “experimentado”.

Vamos diferenciar bucaneiros e filibusteiros de piratas. Os primeiros atacavam barcos, tinham hábitos pouco saudáveis e estavam fixado nas costas. Os filibusteiros usavam embarcações bastante leves e não possuiam meios nem conhecimentos para navegar em alto-mar. Os piratas viviam em alto-mar. Suas embarcações eram maiores, adequadas e equipadas para longas viagens. Para atravessar grandes distâncias era necessário ter conhecimentos náuticos e astronômicos avançados, além de mapas detalhados (que eram raros, secretos e caros). Ademais, tinham que ter uma forte disciplina e planejamento para enfrentar longas viagens e as intempéries de quem navega em águas pouco conhecidas. Não devia ser fácil. Ou seria?

Os corsários, eram piratas com carta de corso. A carta de corso o colocava em proteção de algum Estado. Tanto entre piratas e corsários, as tripulações eram de várias nacionalidades e origens, incluindo negros livres e indígenas. Em geral, cada membro da tripulação era selecionado por suas habilidades. Também havia músicos e pintores nos barcos. (Pensa aí, hacker, se você fosse o capitão, quem você ia colocar no seu barco?)


Como surgiram os piratas?

Nos limitemos aos fatos. Havia um Império que exercia domínio sobre os mares. Sua frota era conhecida como “La Armada Invencible”. Tempos de Felipe II, rei da Espanha. Esse Império tinha construído um notável monopólio comercial com suas colônias e controlava as principais rotas. Eram terras que foram tomadas violentamente da população indígena. Também eram tempos da Inquisição, do uso da religião para a expansão do poder e expropriação. Esse império usava a mão de obra escrava para extrair e transportar as riquezas que roubava. E o que faziam as “grandes nações” na época? Os franceses foram obrigados a se aliar aos poderosos vizinhos. A Holanda foi invadida e dominada, sofrendo também com a perseguição religiosa aos protestantes. A Inglaterra estava incapaz de reagir. Os demais também foram dominados pelo medo. Essa máquina de guerra de Felipe II era alimentada pela riqueza saqueada da América.

Nesse ambiente surge a pirataria no Caribe. Durante muitas décadas, a única resistência que os espanhóis encontraram nos mares veio dos piratas e corsários, apoiados pelo povo livre da costa.


A galera e os piratas

Os piratas usavam muitas artimanhas para capturar um barco. Uma delas era navegar a grande distância, fora da visão da embarcação a ser atacada, e esperar dias até achar o momento certo para se aproximar - como uma manhã com denso nevoeiro – com seus barcos leves e velozes.

Não havia escravos em barcos piratas. Quando atacavam, seja uma colônia ou um galeão, os escravos encontrados eram libertados. Pois eram gente do povo, como os piratas. Sabe uma forma de reconhecer um pirata? Por esse grito:

-AFUNDEM AS GALÉS!

Galé é o nome dado aos barcos remados por escravos. O galeão (galeón) era uma galé grande. Grande para caber bastante produto roubado. Eram máquinas movidas a escravo: quando não serviam mais, estes eram jogados ao mar como se fossem pneus velhos.

Para pirata, lugar de Galé era no fundo de oceano!

Um barco pirata era a grande esperança de liberdade para quem vivia na galera (aah rá... agora sabe de onde vem o termo!). Por isso a GALERA estava sempre ao lado dos piratas. Era só encostar o barco que começava a rebelião lá embaixo. E da GALERA surgiram grandes piratas! (Percebeu hacker? No nosso lado é a torcida é grande!). Um deles foi o africano Diego, contramestre de Francis Drake.

Os negros fugidos eram chamados pelos espanhóis de cimarrones. Cimarrón é o nome que davam para animal doméstico que escapa de seu dono. A forma como tratavam os índios não era muito diferente. (Hacker, isso foi no passado, hoje a Espanha é um dos países onde os piratas têm mais amigos!)

Os negros livres e os índios eram os grandes amigos dos piratas. Foi com os índios que os piratas conheceram o tabaco e adquiriram o hábito de usar o cachimbo. Para os índios, o tabaco é sagrado, tem que ser puro e não se traga (não é isso que se vende misturado com pesticidas, fungicidas e aditivos viciantes). Através da fumaça do tabaco, acreditavam poder ”limpar” as energias ruins e conectar com seus ancestrais e as forças da natureza. Foi assim que ensinaram aos piratas. Eles também aprenderam algumas coisas estranhas com os índios: que havia muitas entidades mágicas na natureza e que se podia contar com a energia e poder dos animais. E piratas gostavam muito de serpentes, dragões e aves. Para os piratas, assim como os índios, tudo estava ligado na natureza. (Energias e seres mitológicos... Até parece coisa de oriental, não é hacker?! Ah, hacker você deve ter lembrando que tem dragão até na mitologia nórdica! E diz a lenda que foi um chinês resgatado no oceano que os ensinou que brinco na orelha num certo ponto estimula a visão).

E essa coisa de tapa-olho? Será que todos os cegos da época decidiram virar piratas? Você acredita nessa história? Fala sério! Já deve ter sacado que o tapa-olho cego era para aguçar a visão. E tem mais, servia para confundir o adversário na luta corporal. Pensa aí, hacker: bastava um movimento do corpo ou uma brisa do mar para aquele pedacinho de pano subir...

Nas aldeias indígenas e nas comunidades de negros, podiam descansar, reparar o barco, conseguir víveres e preparar suas próximas empreitadas antes de ficar semanas no mar. (Será que alguém acredita que os piratas eram camponeses que plantavam mandioca e banana?) O povo livre da costa era fonte preciosa de informação sobre o movimento dos barcos espanhóis.

Quem tem muitos amigos se sente bem protegido, percebeu? Principalmente se você está contra aqueles que tratam seus amigos como se fossem gente indigna. Trate bem eles, pois quando precisar deles, estarão contigo. Diz aí, se você morasse na costa também ia dar uma mão para os piratas, não é!? Aposto que sim? (Ah rá... Aposta é coisa de pirata! E tem povo que adora apostar até hoje! Que falem nossos amigos ingleses!)

Piratas fazem comércio?

Piratas faziam ESCAMBO. Registra: E-S-C-A-M-B-O. Escambo significa TROCA. É a troca direta de excedente. Piratas não eram comerciantes. Comércio não é pirataria. Comércio é comércio. Pirataria não tem dinheiro envolvido. No máximo, serve como medida. Repito, medida. Pois nossa mente precisa de medida para calcular, dividir.

Onde você acha que os piratas podiam depositar seu dinheiro? Você acha que os paraísos fiscais do Caribe existiam naquela época? Banco de pirata? Só se for embaixo da terra, mas sem taxas de juros, correção monetária e com o alto risco de não achar mais o endereço!

Ah rá, hacker! E você comprando a história errada esse tempo todo! Andava com a consciência pesada, não é? Não carregue esse peso nas costas! Registra aí:

ESCAMBO = TROCA

COMÉRCIO = COMPRA E VENDA

Anotou? Nem precisa. Você é uma cara inteligente, não esquece nunca mais!

Quem faz comércio não pode ser chamado de pirata. Pirataria Legítima é troca!

Quando alguém chamar um camelô de pirata, você pode falar: “Pirata o escambau!” E escambau vem de escambo! Hacker, se quem troca é pirata, você é um!

Pirata dividia mesmo. Chega a ser engraçado. Em museus europeus é possível ver peças de ouro e prata com marcas de machadadas. Só assim para dividir as peças grandes! E imagine as cacetadas para quebrar o metal! Pelo visto, às vezes não dava certo!

O que era tomado do Império era dividido para possibilitar outras trocas. E quem vive de troca, tem que fazer as coisas circularem. O barco de pirata tinha que ser levinho para navegar rápido. E quem tem muitos amigos em diferentes lugares, pode se dar ao luxo de levar pouca coisa! Quem leva muita coisa é galeão do Império, que tem de ser grande para caber todo o produto do roubo. Além disso, eles precisavam pagar as guerras que arrumavam mundo afora (ei, hacker, naquele tempo não havia o petróleo). Ah... Você deve estar pensando “que bom que os piratas deram uma lição nesses malvados! Eles iam gastar tudo com bobagem!” Isso mesmo, o problema era que na época ninguém podia dar umas palmadinhas nos bumbuns deles. Exceto, é claro, os piratas!


Recapitulando

Um Império cujo poder se apoiava numa enorme máquina de guerra e em monopólios econômicos, que se alimentam reciprocamente. Leva a cabo uma guerra religiosa que espalha o terror no mundo, cujo objetivo é aumentar ainda mais seu poder, baseado no medo. Apesar das injustiças e atrocidades cometidas, nenhuma nação era capaz de enfrentá-lo. Algumas, inclusive, se aliaram cômoda e cínicamente a ele. É esse contexto que surgem os piratas e seus amigos ousados, com seus barcos leves e rápidos. Uau, dá um filme muito legal. E bem atual!

Está certo que os piratas fizeram suas maldades, mas agora estamos em tempos de procurar a paz e fazer novos amigos. Vamos estender as mãos para aqueles que têm problemas com os piratas da informação. Os primeiros a serem convidados a subirem no nosso barco serão os advogados. Quem sabe, depois, os nossos amigos jornalistas.

Nossos amigos advogados são muito inteligentes. Assim como os piratas, gostam de porto seguro. Os advogados sabem que é próximo a um porto seguro onde se constrói uma boa fortaleza. Eles vivem fazendo cálculos métricos com base nas leis e nas vírgulas das leis. Esses caras são inteligentes mesmo. E pessoas inteligentes gostam de desafios! Que tal atravessar o oceano se orientando pelas estrelas e com a luz do luar?

Consegue imaginar o céu estrelado visto do alto-mar? Inspirador, não? Dá para imaginar navegar sem farol, sem radar, sem GPS, sem o etcétera eletrônico? E se surge um rochedo no meio do nada? Deveria ser emocionante, não é, hacker? Eram as estrelas que guiavam esses caras! Também, olhar para onde mais? Em todo caso, tinha que ser fera, não acha? Será que bêbados, brigões e gente fora de forma ia agüentar essa parada? Bucaneiro tem que dar um jeito na própria vida para virar pirata! É como cracker querendo dar uma de hacker. Fala sério!!

Os caras de hollywood deveriam pensar mais antes de fazer os filmes!


Compartilhamento é a única forma de Pirataria

O comércio de informação existe devido aos monopólios que geram um bloqueio artificial. Se fulano vende CDs ou filmes está apenas tirando proveito de uma situação que provavelmente não foi ele quem criou. O que ele comercializa não é um produto pirata, são apenas cópias ilegalmente vendidas. Não existe produto pirata. Pois pirata não produz “produto”. Existe produto falso. Mas isso não é coisa de pirata, é coisa de comerciante!

A regra é simples: tem dinheiro na jogada não é pirataria. Senão se convenceu, leia essa história da Vovó.


O delicioso bolo da vovó

Imagine um bolo suculento. Digamos que seja um bolo de chocolate recheado com castanhas. Muito mais que isso, foi feito por quem? Pela Vovó! Isso mesmo, falamos daquela senhora maravilhosa que sempre te bajulou. A Vovó tem bastante tempo disponível para fazer as coisas com carinho para seu netinho. E ela quer fazer tudo o que não pôde fazer quando era mãe. É como ser “mãe pela segunda vez”. Não é assim que elas falam?

Imagine aquela delícia do bolo da Vovó. Feito com aquele jeitinho e experiência que só ela tem. Ela sabe exatamente como fazer o bolo para te agradar. Hum, dá água na boca! E você esperou a semana inteira pelo bolo. Até sonhou com ele. Aqueles recheio derretendo na sua boca... Humm

O bolo da Vovó é famoso nas redondezas. Os vizinhos todos conhecem. Eles ficam até torcendo para os netinhos virem no final de semana, pois sabem que pode sobrar um pedacinho para eles!

Você chega na casa da Vovó, e ela está fazendo o bolo. Imagine aquele cheiro delicioso vindo da cozinha. Uahhh! Seu estômago está roncando. Ela diz para você comer um biscoitinho ou uma fruta enquanto espera sentado na sala. Você nega categoricamente. Seu estômago já estendeu um tapete vermelho para o bolo. Tem que ser o bolo! Compreensível, você esperou a semana inteira por essa delícia, não é agora que vai “jogar a toalha”, não é hacker?!

O tempo se arrasta. Suas pernas já estão trêmulas. Você já perguntou umas três vezes “falta muito, vovó?”. De repente, ouve a voz amável da velhinha avisar lá da cozinha “O bolo está pronto, netinho”. Antes de você pular do sofá, a Vovó logo emenda: “Mas tem que esperar esfriar antes de comer! Nada de comer antes da hora!”

O bolo repousa solenemente em cima da mesa. Aquele cheiro já havia se espalhado por toda a casa e arredores. Você está quase surtando. Seus instintos mais primitivos ameaçam vir à tona. Mas você se controla. Afinal, você é um cara do bem, um hacker, não um cracker. Onde já se viu, magoar a querida Vovó!

Você esperava pacientemente na sala. Sorrateiramente, algum espertinho pula o muro, entra sem ninguém perceber na cozinha e ZAZ! Leva o bolo!!

A Vovó volta para a cozinha, não vê nada. Vai à sala e lhe diz: “Seu fominha, que fez com o bolo?! Não lhe falei para esperar!

Você fica chocado. Algo grave aconteceu. Com a voz embargada, só consegue balbuciar, “nã-não fui eu!”. A Vovó, essa senhora que limpou muito seu traseiro, te conhece pelo avesso. Ela percebe que não está mentindo e se dá conta de tudo: “Não pode ser!”.

Pânico e desespero. Onde está o bolo da Vovó?! Não pode ser verdade! Que pesadelo! Levaram o bolo da Vovó! Você e a vovó correm para a rua. Imagine a cena, hacker: você quase morrendo de esperar o bolo e alguém faz uma dessa! Só pode ser cracker!

Alguém grita: “Chamem a Polícia, levaram o bolo da Vovó!” Alguns vizinhos saem à rua (Ah rá... E ficaram sem o naquinho também!). “Devolva meu bolo, seu malvado!” grita a Vovó inutilmente com todas suas forças.

(Tá vendo, Vovó. É a desigualdade social. Que tal se todos tivessem acesso ao seu bolo? Onde estão seus ideais? Acha que não dá mais para mudar o mundo nessas alturas? E a militância nos movimentos sociais, Vovó? A vovó achou que ia passar sem críticas nessa história? Nada disso, a gente quer que você vá dar uma mão pro seu netinho, antes que processem ele por compartilhar arquivos...).

Foi-se o bolo da Vovó. Que experiência traumática... Não vai chorar, né, hacker!?

Agora imagine que alguém pula o muro, leva o bolo, mas, incrivelmente, ele continua lá! No mesmo lugar, sobre a mesa!! Como isso? levaram o bolo, mas ele continua lá!

Depois outra pessoa leva. E outra. E outra. E outros levam dos demais. Que loucura é essa?!

Com a informação é isso. Passou o tempo em que os espanhóis, e antes deles, os índios, perdiam seu bolo, digo seu ouro. Agora são tempos de paz. Tem para todo mundo. Os piratas da informação não precisam dividir peças a machadadas, nem bolos a facadas. Já foi o tempo em que se espetava alguém para conseguir o que se queria. Hoje, simplesmente se consegue uma cópia perfeita sem tirar nenhum naquinho do original para se compartilhar com os amigos. E o bolo continua onde está! Não é lindo isso, meu amigo?


A Internet é uma Rede de Compartilhamento!

A Internet é uma rede de compartilhamento. Ela foi criada para compartilhar: a) banco de dados; b) banda de transmissão; c) processamento de dados.

Isto significa que se você está usando ela, está compartilhando. Que outra coisa alguém esperaria de uma rede feita para o compartilhamento? Parece tão óbvio, mas tem gente que ainda não captou! Ou será que não quer entender? Dá para ser mais claro?!

Como evitar que se compartilhe numa rede de compartilhamento? Impondo barreiras inúteis? Violando a privacidade? Processando milhares de jovens?

Num cabo de fibra ótica com a espessura de um fio de cabelo passam 17 bilhões de bits por segundo. É uma torrente de bits. É informação que flui como luz, colorida como um arco-íris. Nessa luz, circulam imagens, livros, sons. Enfim, a criatividade humana. Dá para imaginar que tem amigo que insiste em botar sujeiras de bits inúteis, ineficientes e dispendiosas no meio do caminho?

Como sustentar uma artificial escassez de bits? O que faz a Internet ser o que é, é o fluxo. A pirataria legítima é bolo da Vovó para todo mundo! Se a Vovó quiser vender, problema dela. Os piratas não vão impedir, mas já que tem para todo mundo, não vão deixar de comer também!


Esse discurso é legal. Mas e o autor, como é que fica?

O autor é muito importante. Tão importante que cada vez mais o chamamos de criador. Bonito, não é? Mas, o mais honesto seria chamá-lo de co-criador. Pois ninguém cria sozinho. Ou cria? Vivemos numa bolha? Se vívêssemos numa bolha, seríamos uma bolha dentro da bolha. Se algum artista acredita que cria só, deve ser um artista-bolha!

Graças aos OUTROS somos muito mais do que bolhas. Pois os OUTROS passam as idéias para nós desde que nascemos. Ou melhor, antes, desde a barriguinha da mãe (Se não acredita, pergunta à sua mãe ou à Vovó, hacker).

O que é, afinal, o autor sem os OUTROS? Ainda bem, que não precisamos pagar por todas as idéias que utilizamos dos OUTROS! Imagine como citá-los, nominá-los, pagar royalties? Não dá para conceber. Seria uma impropriedade intelectual! Ufa! Ainda bem que existem os OUTROS para nos passarem suas idéias! Cada coisa legal que dá para criar a partir das idéias dos OUTROS!

Será que o autor, ou melhor, co-criador, não deveria devolver o que criou a partir dos OUTROS? Ah... Rá Hacker... Você já deve ter percebido que não é o autor que está querendo impedir! Alguns deles estão meio na dúvida, é claro. Mas o problema é que alguns amigos nossos que gostam de falar no nome do autor, não estão pensando nele, mas sim no seu próprio bolso.


E os OUTROS?

- Ah, mas quem se importa com os OUTROS hoje em dia?

Nós, os piratas da informação, nos importamos! Por isso, compartilhamos com os OUTROS! Não sabemos exatamente quem são os OUTROS, mas estamos agradecidos por AINDA existirem. E não estamos muito felizes com a atual situação. Pela simples razão que o “seu” e o “meu” está atrapalhando a criatividade. Esse é o foco do conflito.


Conclusão

Navegar e criar com liberdade. Isso é algo muito importante. Estamos em um tempo de paz e pedimos para nossos amigos que parem de controlar ou tentar censurar a Internet. Cuidem dos crimes comuns, do comércio ilegal, dos problemas ambientais e sociais. Imaginamos que nossos amigos não vão insistir nessa coisa suja de violar a privacidade. Não roubamos o bolo da vovó de ninguém. Ele está lá, é só olhar.

A esta altura, nossos amigos perceberam que o conhecimento e a criatividade dependem do acesso à fonte. Perceberam que é graças a nós, que compartilhamos sem exigir nada em troca, que a Internet é tão interessante. Perceberam que a fonte da criação tem que estar sempre acessível para que a criatividade não pereça. Como seria a rede se ela tivesse sido desenhada por advogados? Uma infinidade de autorizações, licenças, avisos, advertências, dispositivos anti-trocas, obstáculos e burocracia de todo tipo? Talvez os cibercafés tivessem que funcionar dentro de cartórios. E se a Rede fosse desenhada apenas pelas corporações? Só se poderia navegar com cartão de crédito. Seria como viajar de táxi. Nem todos poderiam pagar, não é verdade?

Como seria a Internet se fosse do jeito que eles querem? Muitas das inovações que proporcionam lazer e alegria aos nossos amigos talvez nem tivessem existido. Pensa aí, não foram hackers que fizeram muito daquilo que você mais usa?

O problema da rede é que foi desenhada para servir aos OUTROS. Mas, as pessoas não são mais educadas para servir aos OUTROS. E a sociedade se organiza cada vez mais de forma que o indivíduo possa tirar o máximo de beneficio dos OUTROS. E pior, que se aproprie daquilo que é dos OUTROS, como se fosse exclusivamente seu! E quais são os direitos dos OUTROS? Cada vez mais os OUTROS se parecem com o povo que vivia na galera: ajudavam a enriquecer alguns poucos, mas mal tinham ar puro para respirar!

No passado, havia galeões bem armados que não gostavam da gente. Talvez não existisse outro símbolo maior de injustiça naquela época do que aqueles galeões cheios de riqueza roubada, empurrados pela força de escravos, saindo de um triste porto rumo à Europa.

No entanto, eles andavam tão carregados que eram lentos demais. Bastava uma pequena névoa para um de nossos barcos encostar. O Império tinha medo dos piratas, pois sabia que a galera que levava o barco estava do lado deles! Além disso, na nossa perspectiva, faltava apenas um pouco de coragem para o marujo da galeão mudar de lado. Qualquer um era aliado em potencial, até mesmo o capitão! Bastava aceitar COMPARTILHAR. Mas essa era uma linguagem que o Império não entendia. Por que? Porque não aprendeu a COMPARTILHAR.

Nossos amigos são inteligentes para perceber que não somos contra o comércio que fazem, queremos apenas continuar a fazer nossas trocas livres com o povo miúdo que vive na costa.

Embora eventualmente alguns de nossos amigos queiram criar inimigos para justificar suas atitudes, insistimos que desistam disso. A história mostrou que o Império dominava seus escravos pelo medo. E isso não deu certo com os piratas.


Valeu hacker.

http://www.forum-global.de/jm/artigos.htm

=====================
Artigo nota 10!