26 de abr de 2009

Encontro com Milton Santos



São nove trechos e valem o tempo "ganho" em assisti-los. Nunca deixes que te enganem! Duvides e busques tuas respostas. Este é o caminho da libertação. A fé e o dogma não permitem que a "montanha saia do lugar"!

Os demais vídeos podem ser buscados em:
http://www.youtube.com/watch?v=gPQexs1Vek4

19 de abr de 2009

The Chaos Theory

FHC, o patético!



Recomendo a leitura dos comentários no blog do Cristóvão Feil.

Ponto de Vista volta ao "ar"...



Após interrupção momentânea provocada pala "justiça", o blog Ponto de vista voltou a publicar seu ponto de vista, bem escolado diga-se de passagem, sobre a imprensa guasca, em especial sobre o jornaleco da Azenha.

Longa vida aos blogs e morte aos jornalecos da grande imprensa.

Leia mais em CELEUMA.

Bloguismo e Jornalismo, o debate !



O debate promovido pelo blog Jornalismo B Bloguismo ou Jornalismo: um novo caminhou ou mais do mesmo?, com os painelistas Marco Aurélio Weissheimer, Roger Lerina e Adriano Santos, foi um sucesso.
++++++++++++++++++++

Resumo

Pessoal, não sei se perceberam, mas esse post é para ser lido de baixo pra cima.

...

18:54: RS Urgente surge em 2005, começou como uma espécie de hobby, onde podia exercitar o lado jornalístico que não encontrava espaço onde trabalhava.

18:51: Marco Weissheimer toma a frente e começa o debate. “É fundamental tirar o debate só da tela do computador e discutir frente a frente.”

E começa a transmissão ao viiiiiiiivo do debate “Bloguismo e Jornalismo: um novo caminho ou mais do mesmo?”!!! Haubrich apresenta um pouco do Jornalismo B ao público. As pessoas não param de chegar.

Íntegra aqui.

18 de abr de 2009

Manipilação digital...tudo a ver com ZH!



A eficiência com que a pichação no talude do Arroio Dilúvio em frente ao Jornaleco da Azenha foi apagada, impressiona. A frase “Bla...Bla...Bla...Fábrica de mentiras” não é inventada. Descreve o que se passa com a informação prestada por ZH, aos seus leitores. Fica fácil se fazer discursos de ética, responsabilidade social, credibilidade e atropelar de todas as maneiras a informação.

No dia em que desci o talude para fotografar em melhor ângulo a frase um rapaz, provavelmente funcionário de ZH, me perguntou o que eu estava fazendo ali. Com uma máquina fotográfica na mão, respondi que eu não estava cortando grama! Em seguida ele me perguntou se eu era de esquerda!

Bem, contei até 10, e respondi que estava ali para fotografar a frase que melhor descreve aquele “jornaleco olho do cu”, e que nem a direita aguentava mais.

A foto acima foi manipulada digitalmente, baseada em duas fotografias tiradas no mesmo dia...

14 de abr de 2009

XICO STOKINGUER



"Todos somos indivíduos com senso de responsabilidade suficientemente desenvolvido, para percebermos que nossa função não é meramente decorativa, nem nossas reuniões são reuniões sociais, estamos aqui, para tentarmos melhorar a vida e o meio artístico do Rio Grande, o nosso meio!"

Xico Stockinger
1919-2009



A insônia...


de Eugênio Neves

Berlusconi & C.ª

By José Saramago

Segundo a revista norte-americana Forbes, o Gotha da riqueza mundial, a fortuna de Berlusconi ascende a quase 10 mil milhões de dólares. Honradamente ganhos, claro, embora com não poucas ajudas exteriores, como tem sido, por exemplo, a minha. Sendo eu publicado em Itália pela editora Einaudi, propriedade do dito Berlusconi, algum dinheiro lhe terei feito ganhar. Uma ínfima gota de água no oceano, obviamente, mas que ao menos lhe deve estar dando para pagar os charutos, supondo que a corrupção não é o seu único vício. Salvo o que é do conhecimento geral, sei pouquíssimo da vida e milagres de Silvio Berlusconi, il Cavalieri. Muito mais do que eu há-de saber com certeza o povo italiano que uma, duas, três vezes o sentou na cadeira de primeiro-ministro. Ora, como é costume ouvir dizer, os povos são soberanos, e não só soberanos, mas também sábios e prudentes, sobretudo desde que o continuado exercicio da democracia facilitou aos cidadãos certos conhecimentos úteis sobre como funciona a política e sobre as diversas formas de alcançar o poder. Isto significa que o povo sabe muito bem o que quer quando o chamam a votar. No caso concreto do povo italiano, que é dele que estamos falando, e não de outro (já chegará sua vez), está demonstrado que a inclinação sentimental que experimenta por Berlusconi, três vezes manifestada, é indiferente a qualquer consideração de ordem moral. Realmente, na terra da mafia e da camorra, que importância poderá ter o facto provado de que o primeiro-ministro seja um delinquente? Numa terra em que a justiça nunca gozou de boa reputação, que mais dá que o primeiro-ministro faça aprovar leis à medida dos seus interesses, protegendo-se contra qualquer tentativa de punição dos seus desmandos e abusos de autoridade?

Eça de Queiroz dizia que, se passeássemos uma gargalhada ao redor de uma instituição, ela se desmonoraria, feita em pedaços. Isso era dantes. Que diremos da recente proibição, ordenada por Berlusconi, de que o filme W. de Oliver Stone seja ali exibido? Já lá chegaram os poderes de il Cavaliere? Como é possível ter-se cometido semelhante arbitrariedade, ainda por cima sabendo nós que, por mais gargalhadas que déssemos ao redor dos quirinais, eles não cairiam? É justa a nossa indignação, embora devamos fazer um esforço para compreender a complexidade do coração humano. W. é um filme que ataca a Bush, e Berlusconi, homem de coração como o pode ser um chefe mafioso, é amigo, colega, compincha do ainda presidente dos Estados Unidos. Estão bem um para o outro. O que não estará nada bem é que o povo italiano venha a chegar uma quarta vez às pousadeiras de Berlusconi a cadeira do poder. Não haverá, então, gargalhada que nos salve.

José Saramago <>

=====================

É na insônia que navego por locais não muito costumeiros para mim, que prefiro coisas voltadas a tecnologia eletrônica; mas gosto de ler os textos de Saramago. O que diria José Saramago do que acontece ao sul do Mampituba! Necessitamos uma catarse coletiva, e das cinzas, o renascimento!

Está ficando insuportável assistirmos uma escumalha de jornalistinhas chapas-branca com blogs movidos a banners milionários puxando o saco desta outra corja do governo, que faz do que é público, uso privado.