16 de mar de 2009

Post no Blog do Hélio Sassen Paz


Os movimentos sociais tem minha defesa quase total e irrestrita em quase todas as questões nas quais estão envolvidos, sobretudo no tocante à reforma agrária, à saúde, à educação, ao esporte e à arte (infelizmente, os dois últimos quesitos são vitais para uma sociedade mais justa e são pouco valorizados).

Todavia, mesmo que a Constituição considere legal desconstruir o uso NÃO-social da terra, considero as invasões uma forma de pressão tão inócua quanto uma greve qualquer.

O que tu e os teus comentadores acham disso?


Caro Hélio:

Quando os mecanismos constitucionais são desviados de suas reais funções para o benefício exclusivo de parte da sociedade, de certas figurinhas carimbadas e a imprensa faz vistas grossas,não vejo como nós de classe média , ousamos em criticar as ações das mulheres da Via Campesina e do MST.

As ações de qualquer movimento social são, antes de mais nada, políticas e legítimas; quer seja uma invasão de uma monocultura, como a de Candiota ou do porto Portoce, quer a defesa à bala de seus integrantes.

Veja como são as coisas: quando os movimentos sociais matam alguém em um confronto, o Ministro Gilmar Mendes do STF, foca indignado; porém o Mesmo Ministro não fica igualmente indignado com chacinas em vilas, sem terra executados por grileiros, e assim por diante.

Só o confronto produz soluções que uma geração possa vislumbrar antes de morrer, Hélio. Quando viemos ao mundo, nosso tempo de vida já veio pré-estabelecido.
Nossa classe média que se acha informada, é suicida! A sociedade não avançará sem confronto. Veja a questão de segurança pública: todos os dias cidadãos são assassinados nas vilas de Porto Alegre. “Tudo bem”...Mas quando isso bate a porta do que a imprensa julga como sendo “cidadãos de bem” discute-se segurança pública.

Todos os dias inocentes são algemados, colocados em camburões e levados à delegacias em camburões. “Tudo bem”...Quando a Polícia Federal prende canalhas como Daniel Dantas e outros canalhas daqui como o caso da Máfia do DETRAN, o que a imprensa discute? Se era necessário o uso de algemas, Hélio! Mas que imprensa olho do cu! Só dizendo assim.

Enquanto houver injustiça social, há sim o direito destes injustiçados agredirem o estado que os afronta.

Você sabe que estou ligado até a raiz de meus cabelos a tecnologia. Não podemos falar de tecnologia, quando parte da população sequer tem o que comer! As mulheres da Via Campesina são heroínas.

Para que mesmo serve o estado?

Blog do Hélio

2 comentários:

Anônimo disse...

Brilhante resposta!

Eugênio

claudia cardoso disse...

Boa, amigo!