23 de nov de 2007

O peido no elevador!


Como um partido conclui quais serão seus candidatos nas eleições? Em um congresso em que os militantes se inscrevem em uma lista e os mais votados serão os futuros candidatos? Até aí, tudo bem ou tudo mal, se o tal congresso for ao dia 24 de Dezembro, por exemplo! A democracia deve começar no partido político. Começa com ideologia, com princípios, com participação, com o coletivo, com honestidade e não simplesmente para representar interesses particulares.

Quando, em estatística, se enuncia uma questão, partimos sempre de uma condição ideal, de honestidade: seja um dado honesto, seja uma roleta honesta, e assim por diante.
Nas questões políticas, deveríamos também seguir a mesma lógica: seja um político honesto, seja um jornalista honesto, seja um comunicador honesto, e assim por diante.
Mas no plano real nada disso funciona.

A introdução de efeitos especiais na propaganda política exigiu a introdução da marquatagem política, que passou a vender a imagem de candidato como se fosse sabão em pó.

O mecanismo funciona mais ou menos assim:
1-Os partidos escolhem seus candidatos e montam suas estratégias para empulhar os eleitores, com criaturas de moral sabidamente “ilibado”...
2-Caçam-se eleitores com as promessas tipo fim-de-semana em Paris, viagem para Marte, com uma passadinha na lua, etc. Tudo,“de grátis”...
3-Os eleitores, imbecilmente imaginam: precisamos mudar, queremos um novo jeito de governar, etc. E, asnaticamente, escolhem um candidato(a) com “a cara da cidade”...
4-Após a eleição, a conversa é outra,...Não é bem assim,... Eu nunca disse que...
5-Os eleitos, agora entregues às empreiteiras, jornalões e demais corporações, iniciam movimentos intestinos para PAGAR AS DÍVIDAS DE CAMPANHA, que ficaram no gancho... Pois as promessas de campanha já foram jogadas no lixo. Vale TUDO!
5-Os Tribunais de Contas, e Tribunais Eleitorais, não sabem de nada e nunca viram nada; muito antes pelo contrário!
6-Tropa de choque do governo é armada, para aumentar o rendimento dos apoiadores da candidatura vencedora... E na maioria das vezes, faz exatamente o contrário de suas promessas.
7-A ordem é: meus apoiadores têm que faturar...o resto que se dane.
8-Aí vale tudo: engavetar CPI, “chibarrada” de bodes na sala, chefe do executivo dizendo uma coisa e fazendo outra, etc...
9- Problemas? Que problemas? A culpa é do Lula!
10-Os que se esbofeteavam e se xingavam na campanha, agora estão todos “xuntos reunidos”...
11-Os jornais? Isentos como sempre, só enquanto o chefe do executivo não der um cala-a-boca ($). ( Entenda-se cala-a-boca como a publicidade governamental nos meios de comunicação) Após o cala-a-boca meu amigo, seus problemas acabaram. O podre fedor oriundo dos bueiros da sacanagem e dissimulação, rapidamente será transformado no inconfundível aroma de alfazema da campina. O Governo Rigotto é um exemplo didático.
12-Governa-se três anos. Meio é para entender do “trem” e mais meio pra não largar o “trem”...( o governo Fumaça ainda não entendeu o “trem” até hoje)
13-Moral da história: Quem leva ferro, só pra variar, é a população. Deveria ser deveria ser introduzida a vaselina na cesta básica.
14-Após quatro anos, começa tudo de novo!

Como mudar tudo isso?
A sociedade NUNCA mudará se toda informação que os cidadãos recebem pelos jornais, não tiver uma fidelidade canina aos fatos! Falo informação; e não a opinião, já que segundo Pedrinho Guareschi: “As pesquisas mostram que mais de 80 por cento de tudo o que as pessoas falam durante o dia, seja no trabalho, no trânsito, em casa etc., é pautado pela mídia...”
Eu é que devo concluir o que leio em um jornal, e não abdicar deste direito ao catafístula e pseudo-comunicador Lasier Martins!
A mudança começa por aqui. A Lei de Comunicação Social nunca foi regulamentada. Você acha que o Grupo RBS ou a Rede Globo têm algum interesse em discutir o assunto? Você acredita que o Sr. Hélio Costa, Ministro das Comunicações e dono de Concessão de Rádio, vai querer discutir isso?
E o que tem a ver alhos com bugalhos?
Tudo. Os partidos de direita são articulados com os jornais, que são praticamente todos de direita. Ética e isenção, só existem naquele jornal que está por nascer.
As grandes empresas de comunicação tiveram sua existência e crescimento assegurado na ditadura militar!
Os jornalões foram cúmplices de assassinatos cometidos pela ditadura militar. Chegou-se ao cúmulo de que o editorialista de um jornal era mais eficiente do que o próprio sensor!
De onde saiu toda essa falcatrua que jogaram o RS, toda essa meleca de corrupção que envolvem os partidos de centro-direita? Caíram de pára-quedas?Isto não é de agora.
Já no final da campanha de Yeda Crusius, já se falava do tal Homem da Pasta Preta! O es-secretário de Segurança, Ênio bacci , fez denúncias que nem o PT teve coragem de investigar. Bacci estava mexendo com essa gente. Onde foi parar o jornalismo investigativo?
Os jornais têm partido. Esta é a prova cabal.

Os jornais do estado esmeraram-se na CPI de Segurança Pública no Governo Olívio Dutra. A insegurança era 1/10 do que nos encontramos hoje. A mitificação levada a cabo pela mídia local, em especial a RBS, fez com que a sensação de insegurança dos gaúchos superasse os 70%. Curioso foi o Rio, que estava em pé de guerra, a sensação de insegurança era menos.
Hoje, existem fatos reais e investigados pela Polícia Federal. Existem horas de gravação, existem conexões estranhas entre os investigados, políticos de expressão e inclusive relacionados aos poderes estabelecidos; mas a imprensa minimiza. Existem claramente duas éticas.
Uma destinada aos movimentos sociais e partidos de esquerda, e outra ética destinada aos partidos que compõe, junto com os jornais, as grandes corporações, as empresas e a elite econômica.
O Sr. Lasier Martins, entrevistando um cientista político, fez a seguinte pergunta: como fazer para que não se eleja tanta gente corrupta? O entrevistado desviou e desconversou, mas a resposta é muito simples, está na conduta dele próprio e da empresa em que trabalha. Os jornais não estão preocupados em informar, mas em conspirar!
Há uma cumplicidade até às entranhas entre os políticos de direita, os jornais e seus articulistas.


~o0O0o~

Estavam em um elevador Yeda Crusius, Paulo Feijó, Fogaça e Eliseu Santos, Paulo Odone, Záquia e Busatto . Junto estavam diversos articulistas políticos: Lasier Martins, Diego Casagrande, Políbio Braga, Rosane de Oliveira, José Barrionuevo e Fernando Albrecht, o Cascatinha.
Ninguém havia percebido, mas estava também CHIQUINHO, o baleiro, que não conhecia nenhum deles.
O elevador estava quase chegando ao seu destino quando CHIQUINHO, após não suportar mais o fedor, lascou: quem é que peidou no elevador?
Todos se olharam com ar de surpreendidos; furiosos e em coro, os seis articulistas responderam:
Foi Olívio Dutra, que desceu no andar superior!
Pois é assim que funciona a fedorenta imprensa marrom gaúcha.

RBS/ZH MENTEM.
NÃO COMPRE NEM ASSINE ZERO HORA.

Um comentário:

claudia cardoso disse...

Boa, amigo!!! Vamos expor esta catrefa política e midiática!!!