1 de mar de 2010

Grupo RBS – Obsessão pela mentira e manipulação!


ATO II

“Desde que passaram a exercer livremente o direito de escolher seus representantes, os eleitores deste país vêm praticando o saudável exercício da alternância no poder – ora optando por governantes mais conservadores, ora apostando em lideranças mais ousadas.”

Um lapso de memória conveniente do editorialista ou seja lá que tipo de anta escreveu este insulto à nossa inteligência. O ato de passar a exercer livremente o direito de escolher seus representantes, não foi uma dádiva dos céus! A imprensa nacional contribuiu pela manutenção dos ideais da ditadura militar até o momento em que até as pedras conspiravam contra o regime ditatorial militar, passando "camaleonicamente" para o outro lado. A imprensa converteu-se e como num passe de mágica sequestrou o protagonismo da luta pela democracia passando a agir como se fosse unicamente através dela própria que o pais tivesse reconquistado os direitos constitucionais. Os esqueletos, ainda guardaddos nos armários, demontram que foi a duras penas.

A imprensa nacional é reacionária, não gosta de povo que toma para si as decisões sobre seus destinos. A imprensa gosta de ser protagonista destas decisões, conduzindo-as pelos caminhos que lhe confira maior lucro ou menor prejuízo.

Direitos constitucionais foram atropelados sistematicamente, período em que Zero Hora, o Grupo RBS e vários outros meios de comunicação cresceram sob o silêncio de torturas e assassinatos. Hoje, esses meios de comunicação tentam legitimar os torturadores colocando-os sob o mesmo prisma daqueles que, heroicamente, pela luta armada tentaram derrubar o regime ditatorial militar implantado no Brasil em 1º de abril de 1964.

Todo cidadão tem o dever de, instigado pela defesa constitucional, reagir, conspirar, derrubar, desconstruir ou mesmo destruir toda entidade ou grupos que tentarem sob regime de exceção, alterar normas, direitos constitucionais ou tomarem para si os equipamentos do estado e conseqüentemente suas decisões. Mesmo que estes tenham que se valer de luta armada. Compará-los com terroristas ou mesmo a torturadores é um atestado de defesa da má conduta daquele estado de exceção.

“... saudável exercício da alternância no poder – ora optando por governantes mais conservadores, ora apostando em lideranças mais ousadas”

A alternância do poder realmente é saudável, mas, curiosamente a imprensa e grupos de mídia em geral conspiram pela eleição dos candidatos que, pela sua avaliação e de seus pares, lhes dêem mais vantagens políticas e financeiras.

No Rio Grande do Sul, o período que antecedeu a eleição de Yeda Crusius foi movido por fortes “emoções”. Ocorreram reuniões entre o Sr.Nelson Sirotsky, presidente do Grupo RBS (cidadão porto-alegrense, de origem judaica, sionista, neoliberal e de extrema-direita), e vários empresários na FEDERASUL; pela definição de qual candidato apoiariam ao governo do estado. Optaram pela escolha de uma criatura que protagonizou o governo mais corrupto de toda história sul-mampitubense.

Participou o Sr Jorge Gerdau Johannpeter (empresário porto-alegrense, de origem germânica, neoliberal e de extrema-direita) ávido pela gestão, ética e competitividade.

Deu no que deu. O Grupo RBS que “não tem lado política, mas que está ao lado da população”, nenhum empresário que apoiou a candidatura de Yeda Crusius e nem mesmo o Sr. Johannpeter, vieram a público pedir desculpas pela escolha equivocada. Ou estariam levando alguma vantagem? O silêncio ainda é ensurdecedor!

Sobre o Sr Johennpeter, o jornalista Marco Weissheimer, publicou em novembro de2008:

O empresário gaúcho Jorge Gerdau Johannpeter gosta de posar como guru de gestão corporativa. Entusiasmado, vive a criticar o Estado por sua ineficiência administrativa. Ontem mesmo voltou a soltar o verbo criticando a “deficiente governança corporativa” do governo brasileiro. Perderá tempo quem procurar uma crítica do empresário e dublê de consultor às gestões corporativas de empresas como a Aracruz ou a GM.
Em relação a esta última, seria interessante saber o que Gerdau pensa das notícias dos últimos dias que afirmam que a montadora só não irá à falência se receber uma polpuda “ajuda” do governo dos EUA. As ações da GM caíram hoje mais 13% atingindo o pior nível em 65 anos. Os defensores da superioridade do mercado sobre o Estado, neste momento, só tem um discurso: pedir o socorro do Estado. Aliás, o sr. Gerdau, que tanto preza a gestão transparente, poderia revelar quanto já ganhou do Estado, em isenções fiscais, para expandir seus negócios pelo mundo. Talvez dessa garrafa saia o seu famoso gênio da gestão.


Quanto a governantes conservadores e mais ousados...

José Sarney , Fernando Collor , Itamar Franco, Fernando Henrique Cardoso e Luís Inácio Lula da Silva; classificá-los como conservadores ou ousados é uma classificação um tanto quanto medíocre. Aliás, bem ao estilo do editorial de ZH!

Um comentário:

Rodney Torres disse...

PT de Porto Alegre dá continuidade ao aquecimento blogal
O presidente do PT de Porto Alegre, Adeli Sell, dando seguimento aos encontros com blogueiros, convida a todos os blogueiros e navegadores contumazes que tenham simpatia pela maioria das causas defendidas pelo partido a reunirem-se no dia 2 de março, às 18:30, na sede municipal, avenida João Pessoa, 785.

Pauta:

- Articulação interblogs, criação de um grupo de debates
- Articulação de respostas aos ataques que sofre o PT, Dilma, Tarso, Lula e outros, bem como os DH, democracracia, etc
- Assuntos gerais

(do blog Buracos da Baltazar)