15 de ago de 2007

"Uma coisa é a crítica, outra é o golpismo"

Está impagável o texto do Blog do Mino ( de Mino Carta), que transcrevo abaixo.
~o0O0o~
João Ubaldo Ribeiro, em O Estado de S.Paulo de ontem, domingo, desqualifica “essa suspeita de golpismo”. O jornal, evidentemente, exulta, dá-lhe asas o aval da autoridade, da assinatura celebrada. O escritor refere-se às investidas da mídia nativa contra o governo, e afirma: “Não tem golpismo, tem é exercício do direito de crítica”.
Não pretendo responder a João Ubaldo. Sustento, apenas, que uma coisa é a crítica, e outra é o golpismo. Sim, a crítica é direito de qualquer cidadão, assim como qualquer um tem o direito de professar suas crenças, agir conforme seus princípios e manifestar suas idéias.
Eu sou bastante critico do governo, embora exposto a pecha diuturna de apaniguado do presidente Lula. Pecha? Pois é. E eu, não teria direito de achar bom o que outros dizem mal? Tenho, mas estou longe de entender que o governo se sai bem. CartaCapital apoiou a candidatura Lula em 2002 e 2006 por considerá-la melhor do que outras, e não deixou de apresentar as razões da escolha.
Discordamos, porém, e irredutivelmente, da política econômica do governo. Condenamos a ambigüidade governista em relação aos transgênicos e a omissão de longos meses no que diz respeito ao apagão aéreo. Lamentamos a demissão de Waldir Pires do ministério da Defesa e fustigamos a vergonhosa retirada diante das pressões da Globo no caso da classificação indicativas dos programas de tevê. E desabridamente desconfiamos da ação de alguns ministros, como Helio Costa e Nelson Jobim, sem falar de Mangabeira Unger, empregado de Daniel Dantas. E não temos duvidas quanto ao fato de que o governo deveria abandonar ao seu destino o senador Renan Calheiros. E por aí afora.
Isto, porém, é crítica, procedente ou não. Golpismo é outra coisa, é a sanha de precipitar uma crise, de qualquer proporção. Do irmão Vavá ao desastre da TAM. Sem hesitações ao testar hipóteses, conforme as lições do diretor da Rede Globo, Ali Kamel. Quer dizer, o golpista arrisca-se impávido à acusação falsa, quando não omite a verdade factual. Ou mente. E isto, a se considerar o País, sua zelite (como diz João Ubaldo Ribeiro) e suas tradições, é golpismo.
Sinto muito, não existe palavra mais precisa. No finalmente, não perderei muito tempo para comentar o tom usado por editorialistas e colunistas ao encararem o presidente da República. É do conhecimento até do mundo mineral que o enxergam a trafegar entre a ignorância crassa e a megalomania crônica.
Digo apenas que, aqui, adentramos ao gramado da ofensa grosseira, nascida do preconceito e adubada pelo ódio de classe.

Nenhum comentário: