23 de fev de 2011

Dilma & Follha.Ditabranda.Vagabunda.Vadia de São Paulo

Bem, vamos lá.

O comparecimento da Presidenta Dilma Rousseff ao evento comemorativo dos 90 anos de Folha de São Paulo, a meu ver, foi mais um desses lamentáveis fatos a serem apagados da memória daqueles que lutam por uma democracia justa e republicana e pelos que almejam uma imprensa mais democrática. Os que batalharam incansavelmente e com prejuízos pessoais, sabem do que estou dizendo.

Muitos tuitaram e blogaram no período pré eleitoral, de maneira alucinada, como soldados entrincheirados em um “front”, sem buscar cargos ou sem correr atrás de CCs. A esquerda tem disso. Os partidos de esquerda usam isso. E sempre viram às costas para isso, passada a eleição. Tudo é zerado.

A esquerda, de modo geral, NÃO TEM POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO. E o que é política de comunicação? Certamente não é aquilo que pensam os Srs. José Dirceu, Antônio Palocci [chefe da Casa Civil] e José Cardozo [Min.da Justiça]. Também não é o que pensam Maria do Rosário, Beto Albuquerque, Manuela D’Ávila e Luciana Genro.

Rodrigo Cárdia, no Cão Uivador [http://caouivador.wordpress.com/2011/02/23/e-para-isto-que-dilma-foi-eleita/], lembra muito bem isso. “Em 2007, durante homenagem aos 50 anos da RBS na Câmara de Deputados, vários parlamentares bajularam a empresa...”

The book is on the table, vamos lá, todos juntos,repitam...tudinho de novo! Poderíamos ter passado sem essa.

O único acordo que essa gente entende é corte de publicidade estatal. PONTO. Eles quebram! Já pensaram o jornaleco sionista da Azenha sem publicidade estatal? O judeuzinho 171 teria um piripaque.

A Folha de São Paulo, da ditabranda, da ficha de Dilma falsa, da “vagabundas” e da “vadias”, merecia tão somente um representante de quinto escalão, e olhe lá. Não há como compactuar com jornalecos mentirosos. Assim como a reforma agrária já está atrasada 70 anos, uma Lei que regule os meios de comunicação também já está atrasada e igualmente o fato de os jornais assumirem seus alinhamentos políticos e candidaturas publicamente, já passou a sua marca de linha do tempo.

Há um longo e árduo caminho a percorrer. O que nos resta fazer é continuar batendo. É bem verdade que, hoje uma coisa mudou, jornalões entrevistando blogueiros foi uma coisa inimaginável, e não é mais.

Ainda assim, não consigo me desligar do Correio do Povo[POA], pois, afinal, como eu iria enrolar cocô de gato? Terei que mudar meus conceitos. Estou quase conseguindo ler as noticias pelo celular, no banheiro. É meu melhor momento de produtividade.

*A assinatura de Zero Hora, foi cancelada em 2002, e o “telemarqueting” tentou, em vão e por 29 vezes, refazer a assinatura.

A Carapuça

Um comentário:

Vilmar disse...

Pois para mim foi o "poste"(não era assim que a chamavam?), mijando nos cachorros...
Todos foram ao beija-mão e...
E ficou bem claro também o recado que ela deu sobre a liberdade de imprensa.