18 de dez de 2007

A revista Carta Capital está impagável!


As batatas do vencedor

(http://www.cartacapital.com.br/475/as-batatas-do-vencedor)

"Na última hora, a oposição desfaz acerto com o governo e derruba a CPMF

No rescaldo da batalha da CPMF, cujo lance final se estendeu por longas sete horas, entre a noite da quarta-feira 12 e a quinta 13, contam-se muitos perdedores e alguns vencedores. Sem dúvida, e descartados inicialmente os erros da coordenação política do governo Lula, ganharam o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, principal articulador da resistência oposicionista, o senador Arthur Virgílio, lugar-tenente de FHC no Senado, o antigo PFL, que sempre defendeu o fim do chamado imposto do cheque, e os empresários capitaneados por Paulo Skaf, presidente da Federação das Indústrias de São Paulo (Fiesp), entidade que reuniu mais de 1 milhão de assinaturas contra a extensão da cobrança (com o auxílio inestimável, registre-se, dos camelôs e seu comércio informal no centro da capital paulista, sem os quais o abaixo-assinado não teria sido tão volumoso).

Mas, como diz o conhecido epíteto, aos vencedores, as batatas. É óbvio que a derrota provocará um desarranjo nada desprezível nas contas do governo federal. Sem um plano B na cartola, a equipe econômica será obrigada a rever os gastos previstos em pleno ano eleitoral, conforme o cálculo político da oposição. Em 2007, a CPFM deve arrecadar cerca de 40 bilhões de reais. Diante dos atuais índices de crescimento da economia, estimava-se um aumento de receita em 2008. Boa parte do dinheiro é empregada em programas sociais, entre eles as aposentadorias rurais e o Bolsa Família, de reconhecido efeito nas eleições municipais do próximo ano, que tem peso relevante no jogo da sucessão presidencial de 2010."

Um comentário:

Anônimo disse...

Cpmf era um imposto provisório q virou definitivo e fundamental para o governo, estava se arrastando governo após governo. É muito fácil se escorar em um imposto e depois do seu fim, começar usa-lo para ju$tificar os problema$ de caixa q o governo enfrentará. Chaga de choradeira, está na hora de governar com pulso. Acho q o governo tem jogo de cintura suficiente para se adaptar, já mostrou isso desde o 1º mandato.